Artista da RPT é selecionado para 51º Salão de Arte

Americanense Stenio Oliveira também foi escolhido para integrar o grupo de pesquisa da Fundação Marco Amaro, em Itu


Após ser um dos destaques da exposição coletiva “no dia primeiro no nono andar”, no Lamb Arts São Paulo, no primeiro semestre, o artista plástico americanense Stenio Oliveira começa o mês com duas novidades. Ele teve duas obras selecionadas para o 51º Salão de Arte Contemporânea de
Piracicaba, que será aberto no dia 11 de outubro, na Pinacoteca, e também foi escolhido para integrar o grupo de pesquisa em meios e processos artísticos da Fundação Marcos Amaro, em Itu.

Foto: Divulgação
Bactérias” e “Fecundação” são os trabalhos do artista plástico Stenio Oliveira enviados ao Salão de Piracicaba

Os trabalhos que serão levados ao salão são “Bactérias” e “Fecundação”. A primeira faz parte da Série Primitive, onde o autor tenta se encontrar dentro do pensamento Junguiano. “Experimentando a matéria, tento encontrar arquétipos que representem as coisas mais primitivas na terra. É um resgate do meu âmago, uma busca pelo começo”, revela. Na produção, ele utilizou resinas pigmentadas sobre tela e materiais têxteis, em remissão à sua cidade natal.

Já na obra “Fecundação”, Stenio explora a tripofobia, que é o medo ou repulsa por buracos aglomerados. “Explorando a matéria, num aspecto mais natural, realmente orgânico e visceral, busco na natureza elementos que já são orgânicos em sua existência”, explica. A obra é composta por chassi de madeira, cupinzeiro resinado, vespeiro revestido com carnaúba pigmentada, corda sisal e arruela e porca de metal.

VALORIZAÇÃO

Já em relação à seleção para a fundação, o artista elogia o destaque que ela tem dado aos autores do interior.

“A Fundação Marcos Amaro, pela questão das memórias do Marcos Amaro, fica em Itu, então ela acaba tendo um olhar mais sensível para artistas que não estão na Capital. Essa seleção que foi agora na semana foi uma seleção que a grande maioria dos artistas são de cidades fora da Capital, do interior, então acho que essa responsabilidade social dessa fundação é bem legal”, afirma.

No grupo de pesquisa, ele detalha que os integrantes discutem os meios e processos que cada artista se utiliza para construir sua produção.

A instituição foi criada em 2017 pelo mecenas, colecionador, galerista e artista plástico Marcos Amaro e tem curadoria do renomado curador Ricardo Resende. Tem se tornado um importante Museu de arte contemporânea brasileira e formado um acervo com os mais renomados artistas brasileiros.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora