Artista criador de diversas técnicas expõe obras em SB

Dezoito telas de Paulo Duarte, feitas a partir da cartgravura e kromia, serão reunidas em mostra gratuita no Museu da Imigração


A indústria gráfica se tornou o laboratório no qual o artista visual pernambucano Paulo Duarte fez as experimentações que o levaram a criar as técnicas kromia e a cartgravura, o que lhe rendeu exposições na Europa e reconhecimento por entidades do segmento. Dezoito trabalhos com o emprego destes métodos serão expostos no Museu da Imigração, a partir desta quinta-feira. A abertura da mostra vai ocorrer às 20h e a entrada é gratuita.

Até o dia 29 deste mês, os visitantes conhecerão as obras da série “Notáveis de Todos os Tempos”, composta de dez figuras em cartgravura que retratam personalidades notáveis, como Carmen Miranda, Marilyn Monroe, Charlie Chaplin, Adoniran Barbosa e Salvador Dalí, além de oito trabalhos em kromia que trazem como tema a figura humana, mas com uma linguagem moderna. “Só tem como referência o real, mas o final é uma linguagem própria”, explica o autor, que mora em Campinas.

Foto: Arquivo pessoal
Paulo Duarte, que mora em Campinas, desenvolve obras através de pesquisas com diversos materiais

A abertura da exposição contará com palestra do artista, que esclarecerá sobre o desenvolvimento das novas técnicas e da importância delas para a arte brasileira.

Paulo já trabalha com a kromia desde 1990 e ela já lhe rendeu participações em diversas exposições e reconhecimentos pela Academia Brasileira de Arte, Cultura e História e pela Federação Brasileira dos Acadêmicos das Ciências, Letras e Artes.

“A Kromia nasceu a partir do meu conhecimento da área gráfica. Tudo que tinha dentro da gráfica eu usei como meu material de pesquisa, fazia experimentações e sempre que tinha resultados positivos apresentava o resultado nas exposições. Em 2017, meu trabalho foi exposto na Europa, na Espanha, Portugal e Itália”, conta.

Neste método, as obras surgem a partir de tinta offset. “Os resultados não são comuns nas artes visuais normais, nem na óleo ou acrílica. Faço um trabalho de alquimia que dá um resultado bem diferente. Esse resultado sempre chama atenção, porque sai do comum”, acrescenta.

Já a cartgravura começou a surgir há seis anos e no ano passado foi lançada como técnica em um evento na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). Uma de suas características é ser ecologicamente correta. “A base da matriz é um material 100% reciclável. Ela é aproveitada de aparas de gráficas, de catadores de rua e aí esse material vai para indústria e é transformado nesse material que eu uso como a matriz”, explica o artista.

Uma das características das peças com esta pintura é que dá a impressão de fusão da imagem com o fundo da tela. “A gente trabalha ela com uma linguagem tridimensional. Como a matriz para impressão tem que ter relevo, acaba causando essa impressão de que a impressão final é no relevo”.

ACONTECE: A exposição “Novas Impressões das Artes Gráficas” será aberta às 20h desta quinta-feira e ficará disponível à visitação até o dia 29, de terça a sábado, das 9h às 17h, com entrada gratuita, no Museu da Imigração (Rua João Lino, 371, no Centro).

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!