01 de março de 2021 Atualizado 07:39

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Entrevista

Aos 58, Cao Hamburger tem uma alma jovial

Prestes a se despedir da reprise de “Malhação – Viva a Diferença”, Cao Hamburger valoriza o público jovem em “As Five”, do Globoplay

Por Caroline Borges / TV Press

20 jan 2021 às 10:13

Cao Hamburger mantém uma atualização constante de suas visões de mundo. Com uma carreira sólida na tevê e no cinema voltada para o público jovem, o autor de 58 anos está sempre atento às mudanças e transformações das gerações.

Hamburger, que é conhecido por criar obras clássicas como o seriado “Castelo Rá-Tim-Bum”, viu que em um curto espaço de tempo tudo pode mudar para a atual geração de jovens adolescente. Por isso, embalado pelo o sucesso de “Malhação – Viva as Diferenças”, o autor engatou dar uma sobrevida ao elenco do folhetim.

Na série “As Five”, original Globoplay, o quinteto de protagonistas volta ao vídeo com dilemas do início da vida adulta. “É uma geração interessante, bem informada, consciente dos problemas do mundo e solidária. Acho que o público se identificar muito com as histórias, criadas com base em vivências reais que ouvimos. A série tem muita emoção, drama e humor, afinal, a vida é dramática e engraçada ao mesmo tempo”, defende.

Além da série “As Five”, Cao conseguiu matar as saudades das cinco protagonistas também através da reprise de “Malhação – Viva a Diferença”. A novela voltou ao ar por conta do adiamento da temporada inédita de “Malhação Transformação” em virtude das medidas de isolamento social.

Para o autor, o enredo segue bastante atual com a realidade do País. “Os valores que tratamos nessa obra são os mesmos que o país precisa para superar este momento tão difícil. Falamos da riqueza que existe na convivência das diferenças”, valoriza.

Para Cao Hamburguer, o enredo de “As Five” segue bastante atual com a realidade do País – Foto: Divulgação – Globo

Como surgiu a ideia de criar um spin-off de “Malhação – Viva a Diferença”?
Cao Hamburger Através das redes sociais, o público pedia muito por uma continuação, mesmo bastante tempo depois de “Malhação – Viva a Diferença” terminar. Então, para viabilizar o projeto, pensei em uma forma de fazer algo diferente com elas, e veio a ideia de mostrar as personagens em outro momento da vida, não ser uma continuação direta.

De que forma essa passagem de tempo influenciou na história?
Cao Foi ótimo porque abordamos a idade que as atrizes têm agora. Chamei as cinco para conversar antes de começar a escrever e usei vivências delas como fonte de pesquisa para a série. Nas primeiras conversas que tive com as protagonistas, lembramos da essência das personagens e de como elas seriam na idade adulta. Pedi para elas fazerem um esforço de zerar o registro de interpretação das personagens adolescentes. Acho que, para elas, foi mais difícil do que se fossem personagens novos.

Por que escolheu o início da vida adulta para abordar na série?
Cao É uma fase da vida interessante, quando o jovem vira adulto e precisa lidar com outras questões. São as mesmas personagens de “Viva a Diferença”, mas em outro registro. O estilo de filmagem, a interpretação, a abordagem dos temas, tudo agora é diferente, de acordo com a linguagem de série e o momento em que elas estão. Essa é uma geração bem interessante.

Como assim?
Cao Eles são bem informados, conscientes dos problemas do mundo e solidários. Esses jovens querem trabalhar com o que gostam de fazer e para o bem comum, mas a crise econômica e social chegou com força e muitos precisam abdicar disso. Os jovens de hoje também sofrem com o lado negro das redes sociais, o que gera ansiedade e frustração. Na série, falamos disso através da história da Tina, que é digital influencer.

Quais foram as diferenças em adaptar uma história que nasceu no formato das novelas para uma série de 10 episódios?
Cao Como são poucos episódios, a dramaturgia tem que ser mais precisa, a direção e a interpretação também. Cada cena tem que contar mais, então cada detalhe é mais importante. Por outro lado, o público de uma série com poucos episódios não gosta quando você entrega a história mastigada, com todos os passos. O público gosta de preencher lacunas da história por si. Quer fazer parte da construção da narrativa. Por isso temos mais tempo para gravar cada cena, precisamos chegar nessa precisão maior.

Publicidade