05 de março de 2021 Atualizado 22:55

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Netflix

‘A Incrível História da Ilha das Rosas’ traz a tristeza das comédias italianas

Filme é baseado em história real de homem que, descontente com o país, construiu uma ilha de aço no mar italiano e pediu independência

Por Agência Estado

10 jan 2021 às 06:52 • Última atualização 10 jan 2021 às 08:52

O filme italiano A Incrível História da Ilha das Rosas, disponível na Netflix, fala de uma utopia.

Qual utopia, exatamente? A de viver fora do Estado, entidade que, mesmo em democracias, pode ser vista como força coercitiva, impessoal, a oprimir e limitar os indivíduos.

O personagem principal é um certo Giorgio Rosa (vivido por Elio Germano), engenheiro talentoso e de mentalidade outsider. Ele constrói o próprio automóvel, por exemplo, recusando-se a comprar um exemplar de montadora. Ora, pensa ele, porque não fazer a mesma coisa com um país? Se estamos insatisfeitos com o nosso, porque não construir um que não se oponha aos nossos desejos?

É possível que raciocínio semelhante esteja na mente dos utopistas de todos os tempos. A diferença é que Giorgio dispõe de meios tecnológicos para realizar seu sonho. Assim, bola um jeito de construir uma espécie de plataforma marítima, devidamente fora das águas territoriais italianas. Do nada, ergue seu micro país que, para ter legitimidade, precisa ser reconhecido pela comunidade internacional. O caso vai parar na ONU (nas mãos do dignitário Jean Baptiste Toma, interpretado pelo sempre ótimo ator François Cluzet).

Estamos nos anos 1960, época da contracultura e dos movimentos estudantis. Nela, há muitos insatisfeitos que veem, na “ilha de aço”, um refúgio de estados opressores (todos eles). Assim, a Ilha das Rosas começa a abrigar refugiados, além de turistas e visitantes, em seus meros 400 metros quadrados. O clima é de festa, amizade e amor livre. Também é preciso dizer que a Ilha das Rosas passa a emitir passaportes e ter moeda própria.

Igreja

A história parece estapafúrdia e até meio ingênua quando vista pelo olhar desencantado de hoje. E se torna ainda mais incrível, como diz o título brasileiro, quando se sabe que aconteceu de fato, na Itália dos anos 1960 e que trouxe desdobramentos políticos e diplomáticos consideráveis. O governo italiano, por exemplo, passa a sofrer pressões da Igreja, incomodada com o clima de liberalidade sexual na ilha. O poder oficial, como um todo, sente-se ultrajado pela presença desse Estado minúsculo em sua costa adriática.

Dirigido por Sydney Sibilia, A Incrível História da Ilha das Rosas embarca naquela boa tradição da comédia dramática, sucesso mundial do cinema italiano dos anos 1960 e 1970. Certo, não estamos diante de uma reencarnação de Dino Risi ou Mário Monicelli. Ainda assim, Sibilia não se limita ao lado cômico da história e busca, ainda que com certa timidez, sua repercussão crítica em relação aos poderes constituídos.

Aliás, alguns dos personagens mais engraçados são os políticos da vida real, como o então presidente da República Italiana Giovanni Leone, interpretado por Luca Zingaretti.

Elio Germano também veste muito bem a pele do engenheiro bolonhês Giorgio Rosa (morto em 2017). Insatisfeito com a organização social do seu país, Rosa teve a ideia de construir essa micro nação. Não foi fácil. Levou cerca de dez anos para edificar a plataforma que seria esse Estado independente. Edificou-a no Mar Adriático, a 11 quilômetros da costa de Rimini (por acaso, terra natal de Federico Fellini). No dia 1º de maio de 1968, a ilha de metal declarou-se Estado independente. Além de emitir passaporte e moeda, tinha hino, bandeira e constituição. O idioma adotado foi o esperanto, para se diferenciar de vez da República Italiana.

A história verdadeira é tão ou mais rocambolesca que a contada pelo filme. Mas ambas – a verdadeira e a da ficção – guardam, em meio ao riso, aquela amargura típica das comédias tristes dos grandes mestres italianos do gênero.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Publicidade