29 de novembro de 2020 Atualizado 14:54

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Editorial

Volta às aulas no Estado

Por Redação

05 nov 2020 às 07:59 • Última atualização 05 nov 2020 às 10:32

Enquanto os casos do novo coronavírus (Covid-19) encontram um cenário de recuo nas infecções, parte do cotidiano pré-pandemia começa a se reestabelecer. A volta às aulas é um dos grandes exemplos de uma rotina que foi severamente afetada pela doença que se espalhou pelo mundo.

Nesta semana, foi a vez de escolas estaduais retornarem com o ensino presencial. Segundo dados da Secretaria de Estado da Educação, 45 das 141 unidades localizadas na RPT (Região do Polo Têxtil) voltaram a receber os estudantes, que, até então, conviviam com o ensino remoto e virtual.

Com exceção de Americana, cuja prefeitura autorizou o retorno das aulas na rede estadual somente a partir desta terça, as demais cidades têm autorização para aulas presenciais desde outubro mediante consulta à comunidade.

Americana tem 40 escolas estaduais, mas apenas a escola Sinésia Martini, na Praia Azul, retomou as aulas presenciais nesta terça. Das seis escolas estaduais de Nova Odessa, duas retornaram – Joaquim Rodrigues Azenha, no Jardim São Manoel, e Silvania Aparecida Santos, no Santa Luiza 2. Santa Bárbara d’Oeste teve adesão de 13 das 34 escolas. Em Sumaré, 18 das 36 escolas estaduais retornaram. Das 25 escolas de Hortolândia, foram 11.
Além das escolas estaduais, as particulares também voltaram após discutirem com a comunidade escolar a possibilidade de retorno. Em Americana, por exemplo, era necessária uma adesão de ao menos 35% entre os pais.

Mas, o fim do ano letivo deve ser marcado por um cumprimento de protocolos que, em breve, será interrompido pelas férias. E apesar de contarem como parte da aprendizagem, as últimas semanas de aula podem servir mais para a aplicação de uma nova rotina de prevenção no ambiente escolar do que para aprender. A expectativa é de um recomeço em 2021. De preferência, vacinado.

O Liberal

Neste blog você encontra a opinião do Grupo Liberal de Comunicação, por meio dos textos editoriais publicados na edição impressa.