19 de abril de 2021 Atualizado 15:25

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Artigos de leitores

Você tem Síndrome de Estocolmo?

Por Juliano Schiavo

25 fev 2021 às 07:47

Em 1973, dois assaltantes invadiram um banco em Estocolmo, na Suécia. Após troca de tiros com a polícia, a dupla transformou quatro pessoas em reféns por seis dias. Contrariando tudo o que se poderia imaginar, os reféns recusaram a ajuda policial e usaram seus corpos como escudos para proteger os criminosos. E o pior: ainda responsabilizaram a polícia pelo ocorrido.

Esse “estado psicológico” recebeu o nome de “Síndrome de Estocolmo”, em que a vítima passa a defender o seu opressor. Inclusive, negando a realidade e enxergando o mundo com uma lente que vai além da sanidade: aquele que oprime torna-se o centro do mundo. E isso não é diferente do que vivemos no Brasil. Em tempos de polarização tão acentuada, com um discurso de ódio que se normaliza, não me estranha observar quem perde a noção da realidade e passa a defender uma ideia, sem ao menos questionar, pesquisar, se informar.

A racionalidade cede espaço para um discurso raso e fácil de ser engolido: sempre há o outro, que é perigoso. Sempre há o diferente, que precisa ser eliminado. Sempre há o que não comunga com a mesma ideia e, portanto, não deve ser ouvido. Do outro lado só há coisas ruins. Tapam-se os olhos e os ouvidos e se mantém a boca aberta para vociferar contra a ideia diferente, sem ao menos ouvi-la e refletir sobre os prós e contras.

A qual preço, pergunto? A “síndrome de Estocolmo” que vivemos no Brasil está instalada de tal forma que as “vítimas” acabam por acreditar que os fins justificam os meios. Mesmo que esses meios sejam violentos, preguem o ódio e não tragam nada de bom.

O opressor se torna uma espécie mitológica, que tudo que fala se torna verdade, mesmo estando em completo choque com a realidade e trazendo caos para a vida de suas vítimas. E você, tem vivido a sua síndrome de Estocolmo? Ou tem se permitido questionar, refletir e ponderar sobre as suas decisões?

Juliano Schiavo é jornalista, escritor e professor

Colaboração

Artigos de opinião enviados pelos leitores do LIBERAL. Para colaborar, envie os textos, com 1.800 caracteres (já contando os espaços), para o e-mail opiniao@liberal.com.br.