25 de novembro de 2021 Atualizado 08:07

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Smart Tech

Seja criativo e produtivo!

No ambiente corporativo, a criatividade é a força propulsora de desenvolvimento pessoal e profissional

Por Eryvelton Baldin

25 nov 2021 às 08:08

No Dicionário Michaelis, a “criatividade, diz respeito a:

“Capacidade de criar ou inventar; engenho, engenhosidade, inventiva.”

A saber, a criatividade humana é um processo dinâmico e sujeito a variações. No ambiente corporativo, é a força propulsora de desenvolvimento pessoal e profissional, além de base para a evolução da própria cultura da empresa.

Ao pensar que o pensamento humano vaguea entre manifestar-se com “divergência” e “convergência”, o processo criativo gerado pelo “pensamento divergente”, ou seja, nascido do desentendimento ou da discordância, gera brainstorming que necessita, posteriormente, de pensamentos “convergentes”, para então, estruturar na mente uma lista de tarefas que ordena e analisa as ideias para obter os melhores resultados.

Esses dois tipos de pensamentos são importantes e se complementam, e é o ideal que no ambiente corporativo as equipes sejam capazes de alternar entre os dois pensamentos, tanto no processo de criação, quanto durante a produção.

As duas formas de pensamentos ao se completarem, estrategicamente, geram criatividade e produtividade. Existem inúmeros exemplos de ideias criativas que “morreram” como ideias uma vez que não foram bem desenvolvidos os pensamentos que geravam ações precisas. Ser criativo, mas não produzir… é inútil.

É sabido que, a criatividade traz novas ideias ou adapta e atualiza conceitos já existentes, gerando inovações e ou disrupções. Portanto, ser produtivo, mas não ser criativo, também não funciona para gerar resultados, uma vez que as tarefas que não exigem criatividade, no cenário mercadológico atual, estão em declínio, uma vez que podem ser automatizadas ou, ainda levadas embora por países onde a mão de obra é mais barata.

Existem várias teorias sobre o processo criativo. Segundo Graham Wallas, fundador da London School of Economics, uma vez estabelecidos os parâmetros e restrições de uma situação, ocorrem quatro fases:

Preparação: absorvemos todas as informações para entender completamente a situação, explorar todas as associações, preparar nosso cérebro para uma possível resposta.

Incubação: internalizamos as situações. O tempo e o espaço necessários devem ser encontrados para que as ideias fluam. Depois jogamos com todas as ideias que surgiram e criamos diagramas, protótipos, mapas mentais, o que a intuição diz-nos que a solução se aproxima.

Iluminação: Finalmente, a ideia criativa salta para o consciente.

Verificação: A ideia é revisada, controlada, desenvolvida e aplicada.

Sendo assim, para ser criativo e produtivo exige um alto nível de esforço, planejamento, organização e controle constantes. Em todo momento, os pensamentos convergentes devem ser utilizados como ferramenta, para focar nossos esforços no que é realmente importante, e o pensamento divergente para não desbloquear a criatividade. Portanto, saber para onde direcionar a atenção em cada momento auxilia na concentração quando se trata de estimular a criatividade.

Seja flexível entre o pensamento divergente e o convergente! Seja criativo e produtivo!

Em outras palavras, não é difícil! Basta saber o momento de “ter grandes ideias” e quando “fazer grandes coisas” ou, mais fácil ainda: basta se perguntar se posso fazer de uma forma diferente ou mais inteligente, ou ainda, mais disruptiva.

Henrique Costa e Eryvelton Baldin

Assinado por Henrique Costa e Eyvelton Baldin, conteúdo sobre tecnologia, inovação e empreendedorismo