17 de maio de 2021 Atualizado 09:29

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Histórias do Coração

Regina e Carlos

O Carlos e a Regina, esse casal que anda de mãos dadas, mostra ao tempo que nem muito tempo é capaz de impedir que um sinta falta do outro

Por Carla Moro

17 jan 2021 às 11:32

Qual o tempo do amor? Enquanto conto essa história, é preciso ter essa pergunta em mente, porque o tempo do amor desse casal é contado em décadas. Três décadas e quatro anos. Sobre quantas coisas é possível dizer que duraram três décadas e quatro anos?

A Squalidus era uma disco club muito frequentada pelos jovens de Americana na década de 1980. O Carlos era noivo na noite em que conheceu a Regina na Squalidus. Era sábado e ela já estava quase indo embora. No meio das escadas que levavam até a saída, ela resolveu voltar junto com uma amiga e dar uma última olhada no lugar. Não fosse essa volta e o Carlos não teria puxado conversa com a moça que parou no balcão do bar.

A Regina, conversando com a amiga e o bartender, disse que pensava em se tornar freira. O Carlos, que já tinha visto a moça lá outras vezes, completou: se for assim, eu viro padre. Sacrilégios à parte, a cantada funcionou. Ele ofereceu uma carona para a moça e o tempo da nossa história começou. O tempo um, do primeiro dia.

O tempo em que ouço essa história, o tempo de agora, é o de 34 anos. Depois que passam, três décadas e quatro anos têm o tamanho de um piscar de olhos.

A Regina, preocupada, me diz que não consegue se lembrar de todos os detalhes. O Carlos, me diz exatamente a mesma coisa.

Regina e Carlos – Foto: Arquivo Pessoal

Mas ela me conta que, no começo do namoro, o casal foi a um parque de diversões e o Carlos deu de presente para ela um urso de pelúcia enorme, prêmio na brincadeira da pesca.

Já o Carlos, conta que levou a Regina para comer coelho no jantar em que ficaram noivos. Eu me arrisco a dizer que o tempo dá a dimensão daquilo que vale a pena ser lembrado.

A Regina morava em uma casa de esquina, que o Carlos gostava de virar cantando os pneus do Gol branco todos os dias quando chegava para namorar.

O tempo do dia um transformou-se logo em um ano enquanto a Regina adivinhava o rock pesado no toca-fitas. Amor que anuncia a chegada para o bairro todo. Há grandes silêncios enquanto eles me contam essa história. Como se o amor que, no início, precisava de grandes anunciações, no tempo presente, permanecesse no silêncio. O silêncio confortável do amor que simplesmente fica, que está ali. Para o Carlos, o amor é a companhia. A Regina foi o amor que permaneceu.

Sobre quantas coisas é possível dizer que duraram 34 anos? O urso de pelúcia não durou, tampouco o Gol branco ou o restaurante onde comeram coelho na noite em que ficaram noivos.

O Carlos e a Regina, esse casal que anda de mãos dadas, mostra ao tempo que nem muito tempo é capaz de impedir que um sinta falta do outro.

A moça dizendo que se tornará freira, apoiada no balcão do bar na Squalidus, em 1985, é a mesma mulher a quem eu chamo de mãe. Ela olha para o quintal da casa onde mora com o meu pai desde o dia em que se casaram e me diz: se eu conhecesse o seu pai hoje, eu me casaria com ele novamente.

Leia outras histórias da coluna aqui

Nesse momento, há um encontro entre os tempos traçados por esse casal. Uma linha percorrida pelo amor em um piscar de olhos. Qual o tempo do amor, eu me pergunto. Por enquanto, 34 anos, eles me respondem. Mas só por enquanto.

Quer contar sua história? Me mande uma mensagem no e-mail:
colunahistoriasdocoracao@gmail.com

Carla Moro

Formada em Letras pela Unesp, Carla Moro faz neste blog um registro da trajetória dos casais! Quer sugerir sua história para a coluna? Envie um e-mail para colunahistoriasdocoracao@gmail.com