20 de julho de 2024 Atualizado 18:17

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Carreira & RH

Reflexão sobre a positividade tóxica do nosso dia a dia

Por Marcos Tonin

17 de julho de 2023, às 10h45

Esta semana a atriz e apresentadora Carolina Ferraz postou em sua rede social um vídeo muito real e lúcido sobre a positividade tóxica, nos trazendo uma reflexão importante sobre o excesso de positividade em situações em que um dia de quietude, angústia e choro poderia ser mais produtivo do que uma mensagem vazia dizendo que “dias melhores virão”. Essa declaração da atriz é mais do que verdadeira, uma vez que psicólogos, psiquiatras e especialistas em comportamento e emoções humanas garantem que tapar o sol com a peneira só faz com que aumente nosso processo de angústia e depressão.

Esse movimento esquisito de “Positividade Extrema ou Nada Mais”, ganhou força na última década com a promoção de carreiras meteóricas de influenciadores, psicanalistas de finais de semana e coaches de oito horas, profissionais que entenderam a grande carência de saúde mental no nosso País, e a facilidade de postar frases prontas e citações de pensadores como antídoto para aquilo que parecia ser ruim. Nunca foi tão fácil falar para alguém: “Calma, tudo vai passar”. Mas isso, além de não ser verdade, ainda contribui para que o normal vire estranho e para que a dor seja uma fraqueza e não mais parte do processo de aprendizado.

“Endemonizar” o fracasso e o erro pareceu certo frente a um momento em que milhões de pessoas encontraram nas redes sociais e nos cursos de finais de semana um apoio que não tinham dentro de casa ou das empresas, entretanto isso foi levado ao extremo como se o medíocre e o ordinário não tivessem espaço em nossas vidas. Ora, o que vamos fazer com nossos dias ordinários e extremamente comuns, em que acordamos, trabalhamos e voltamos para casa? O que fazer se nem todo dia é épico e especial? Não somos, na mais pura verdade, uma soma de dias e mais dias comuns e gostosos do que de dias ultra marcantes?

Precisamos viver as verdades, precisamos aprender a reconhecer e a sentir as emoções. O medo, raiva, frustração, tristeza, luto e angústia têm seu momento, aliás, precisam ter, só assim conseguimos viver nossa plenitude de sermos humanos, de sermos incompletos e imperfeitos frente aos acontecimentos banais do dia a dia.

Negar esses sentimentos é negar nossa essência mais verdadeira. Experimente desintoxicar da mentira, da positividade que não existe. Somente vivendo momentos alternados de dor e prazer, medo e confiança, é que conseguimos distinguir nossas luzes e sombras de forma verdadeira, rumo ao desenvolvimento lindo e eterno da nossa existência. 

Marcos Tonin
Executivo de RH e Coach C-Level
tonin.marcos@gmail.com

Marcos Tonin

Marcos Tonin, especialista na área de gestão e liderança, fala sobre mercado de trabalho em textos quinzenais