20 de junho de 2021 Atualizado 09:10

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Pelas Páginas da Literatura

‘Pessoas Normais’: conheça o livro que inspirou série indicada ao Globo de Ouro

Blog Pelas Páginas da Literatura conta um pouco sobre a obra, que fez um grande sucesso em seu lançamento, em 2018, e volta aos holofotes

Por Marina Zanaki

05 fev 2021 às 07:57

O principal problema com qualquer definição de normalidade é que na maioria das vezes ela tem como base o olhar do outro. Ser normal é uma busca ao mesmo tempo irresistível e impossível. Todo mundo quer se sentir normal para ser aceito, mas ninguém consegue se encaixar na normalidade sem abrir mão das características que formam a individualidade.

Livro da irlandesa Sally Rooney – Foto: Divulgação

Adoro o título do livro Pessoas Normais, da irlandesa Sally Rooney, porque ele possibilita várias interpretações dentro da história. A obra fez um grande sucesso após seu lançamento, em 2018, e volta a chamar atenção esta semana após a série inspirada no livro ter sido indicada para o Globo de Ouro.

O livro acompanha a história de Marianne e Connel. No ensino médio, ele era popular e ela considerada estranha. Na faculdade, a aceitação social se inverte. A partir da premissa, o leitor já entende que o normal é um conceito que flutua.

Os dois se relacionam, mas evitam essa ligação. Se amam, mas se machucam. Marianne é privilegiada, e sequer percebe o quanto isso afeta a relação com Connel. Connel é abusivo com Marianne, mas esse é apenas um dos aspectos desse relacionamento.

Sally Rooney é apontada como a voz da geração millenial, mas eu entendo que o poder da narrativa está menos no recorte de geração e mais na forma crua como ela consegue captar a forma como as pessoas se relacionam.

Série foi indicada ao Globo de Ouro – Foto: Divulgação

A escritora conta uma história sobre um relacionamento com toda a complexidade e sutilezas que ele tem, sem cair na tentação de reduzi-lo a uma coisa ou outra – e é assim que os relacionamentos na vida real são, nessa geração e nas outras também.

A capa da edição brasileira encaixa tão bem quanto o próprio título. Um casal abraçado dentro de uma lata de sardinha pode ser uma metáfora para a permanência em lugares e relações que fazem muito mal, mas ao mesmo tempo representam conforto e aceitação. Contraditório, mas talvez a contradição seja normal.

Marina Zanaki

Repórter do LIBERAL, a jornalista Marina Zanaki é aficionada pela literatura e discutirá, neste blog, temas relacionados ao universo literário.