30 de novembro de 2020 Atualizado 22:43

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Histórias de Americana

Onde repousam as memórias

Por Jefferson Luis Boccardi*

01 abr 2020 às 09:10 • Última atualização 30 abr 2020 às 16:14

Quem visita o Cemitério da Saudade, prestes a completar 115 anos, em setembro de 2019, pode não se dar conta, mas ali estão depositados indivíduos que guardavam uma biografia, uma identidade, história e, o mais importante, memórias; memórias estas que ficam sob responsabilidade dos vivos, que devem fazer o trabalho de guardar, rememorar e honrar aquelas pessoas que já não mais habitam a vida, mas que contribuíram imensamente com a formação cultural, social e econômica de Americana. Sendo assim, o cemitério torna-se, na nossa contemporaneidade, um lugar de guarda da memória coletiva.

Integrado atualmente com a geografia da cidade, o Cemitério da Saudade ficava, no passado, afastado do núcleo urbano de Villa Americana, quando ainda pertencia à campinas. Criado em 1903 e tendo seu primeiro sepultamento no ano seguinte, localizava-se na Estrada do Cemitério Municipal, atual Avenida da Saudade, tão movimentada hoje. Esse distanciamento do lugar dos mortos tornou-se cada vez mais comum no final do século XIX e inicio do XX, tempo em que se buscava uma assepsia nas cidades, fruto daspolíticas de urbanização no Brasil.

Com o crescimento demográfico e geográfico da cidade, esse distanciamento físico da “cidade dos mortos” torna-se cada vez mais difícil e a convivência com este espaço cada vez mais comum. Mas será que encaramos o cemitério como um lugar de memória? Ou como um lugar onde há uma relação de ambiguidade, pois, nesse mesmo lugar, habitam os heróis e os desconhecidos?

Quando passarmos em frente ao Cemitério da Saudade, que possamos parar e pensar nesse local como um importante memorial da história de Americana, já que ali estão não apenas nossos conhecidos heróis, que foram eleitos pelos seus feitos para os livros de história, mas também os muitos heróis desconhecidos, que muito contribuíram com a história da cidade sem receberem, contudo, o reconhecimento de seus feitos nas páginas da história oficial.

*Jefferson Luis Boccardi é membro do grupo Historiadores Independentes de Carioba, dedicado à pesquisa histórica sobre Americana

Historiadores de Carioba

Blog abastecido pelo grupo Historiadores Independentes de Carioba, que se dedica à pesquisa histórica sobre Americana.