07 de agosto de 2020 Atualizado 09:07

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Economia no dia a dia

O consumo após a crise

Por Marcos Dias

19 Maio 2020 às 08:14

Nesse período de crise mundial muitas empresas, grupos e instituições econômicas tentam fazer previsões de como será o mundo após a crise. Uma das tentativas de previsões é em relação ao comportamento dos consumidores.

Uma das instituições mais respeitadas em relação ao monitoramento do consumo mundial, a Euromonitor International divulgou recentemente um relatório, denominado Global Consumer Trends 2020, que prevê mudanças no comportamento dos consumidores. Algumas dessas mudanças são: em tempos de incerteza econômica, política ou pessoal, alguns consumidores serão atraídos cada vez mais para o conforto do lar.

Embora essa tendência não seja novidade para algumas classes sociais, os consumidores, de forma mais frequente, irão adquirir produtos e serviços a partir de suas casas, graças ao acesso mais intenso à internet. Os consumidores terão acesso à imensas quantidades de informações com menos barreiras. Eles terão a mesma capacidade de processar informações de antes, mas possuirão muito mais informações para processar.

O aumento do consumo personalizado, em que os consumidores esperam que as marcas adaptem os produtos e serviços às suas necessidades e desejos, a partir de suas informações pessoais, agilisando suas escolhas. Para isso as empresas deverão investir em métodos de coleta de dados para criar um marketing mais preciso.

Os consumidores passarão a aceitar que robôs ou outra inteligência artificial possam executar certas tarefas tradicionalmente realizadas por seres humanos. Isso será feito, de forma mais crescente, por sistemas de atendimento bancários ou de serviços em geral.

Maior acessibilidade dos consumidores aos mercados, de forma indiscriminada, obrigando as empresas a reformularem seus produtos e serviços. Os consumidores voltarão às raízes locais, com o aumento do senso de individualidade e identidade nacional e local. Com isso, espera-se que as empresas, principalmente as grandes marcas globais, respondam de forma adequada e criativa à cultura, normas sociais e hábitos de consumo locais.

Marcos Dias

Conteúdo desenvolvido pelo economista e professor de economia da Fatec (Faculdade de Tecnologia) de Americana, Marcos Dias.