11 de julho de 2020 Atualizado 19:52

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Editorial

Novo estágio

Por Da Redação

28 Maio 2020 às 08:41

Pode ter pego muita gente de surpresa a ampla flexibilização das restrições por conta do novo coronavírus (Covid-19) que o governador João Doria anunciou nesta quarta-feira. O discurso do governo seguia na linha de duros alertas para a situação e de cobranças, principalmente, por índices de isolamento social mínimo, por exemplo.

Com isso, cidades como Americana e Santa Bárbara d’Oeste, que passaram a ignorar a recomendação do comitê de saúde do Estado e já voltavam a uma vida praticamente normal pelas ruas, pareciam estar longe de figurar em alguma etapa breve de reabertura. Mas, a partir da próxima segunda-feira, lojas do comércio de rua e shoppings centers já poderão voltar a funcionar nas duas cidades.

A decisão do governo levou em consideração a divisão de regiões do Estado em fases, baseadas em critérios como taxa de ocupação de leitos de UTI exclusivas para pacientes com coronavírus e o número de novas internações. O avanço para fases menos restritas poderá ocorrer após 14 dias se os indicadores permanecerem estáveis. Já a regressão pode ocorrer em sete dias. A medida é um alento para muita gente, mas não pode ser vista como passe livre para a volta à rotina. O vírus continua em circulação e os casos e mortes continuam crescendo.

A promoção da conscientização deve, ainda mais, ser uma tarefa do poder público, especialmente das prefeituras que terão um papel mais autônomo na flexibilização de restrições e mais importante ainda na fiscalização, já que a circulação tende a aumentar. Da mesma forma, as orientações e critérios, sob diretrizes do Estado ou dos governos municipais, precisam ficar claros para os gestores de setores aptos a funcionarem. É um grande passo. Veremos quais serão os resultados.

O Liberal

Neste blog você encontra a opinião do Grupo Liberal de Comunicação, por meio dos textos editoriais publicados na edição impressa.