01 de julho de 2022 Atualizado 17:32

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Artigos de leitores

Novembro Azul: positivo e negativo

Por Maria Giovana

30 de novembro de 2021, às 07h31

A campanha Novembro Azul – que surgiu na Austrália e completa dez anos no Brasil em 2021 – tornou-se o principal fio condutor no que diz respeito a informar os homens sobre prevenção em saúde. A campanha, restrita à prevenção ao câncer de próstata, está mais ampla.

Hoje, diversas pesquisas, realizadas ao redor do mundo são unânimes: os homens se previnem menos que as mulheres e, como consequência, vivem menos. Apesar do sucesso do movimento, cujos benefícios são notados no decorrer dos anos, como o aumento na procura de exames preventivos por parte da população masculina, com destaque ao exame de toque, o mais importante (e que sofre mais preconceito) para detectar o câncer de próstata, temos um longo caminho a percorrer, principalmente, após a pandemia.

No Brasil, as cirurgias para retirada da próstata por câncer tiveram redução de 21,5% entre 2019 e 2020. Os dados são do Ministério da Saúde, obtidos pela SBU (Sociedade Brasileira de Urologia). As coletas do antígeno prostático específico (PSA) e de biópsia da próstata que, junto com o exame de toque retal, diagnosticam a doença, registraram quedas de 27% e 21%, como mostram as informações do Sistema de Informações Ambulatoriais, do SUS (Sistema Único de Saúde).

Houve diminuição no número de consultas urológicas no SUS (33,5%). As internações de pacientes com diagnóstico da doença caíram 15,7%. As consultas com um urologista também sofreram queda. Até julho, foram 1.812.982, enquanto em 2019 foram 4.232.293 e em 2020, 2.816.326.

Apesar do aumento da procura por exames, o poder público ainda está aquém da sua capacidade. Um exemplo é Americana. A administração anunciou a campanha Novembro Azul sem contar com urologista na rede, mesmo com uma demanda reprimida de aproximadamente 1,6 mil pacientes. Que exaltemos a campanha realizada por nossa sociedade civil organizada e que cobremos mais nossos governantes. Estes, definitivamente, não temos motivos para exaltar.

Maria Giovana é sanitarista e vice-presidente estadual do PDT

Colaboração

Artigos de opinião enviados pelos leitores do LIBERAL. Para colaborar, envie os textos para o e-mail opiniao@liberal.com.br.