15 de julho de 2024 Atualizado 23:10

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano & Existência

Negacionismo em dupla via: vacinas e aquecimento global

Duas questões exigem ação imediata da sociedade: o negacionismo em relação às vacinas e o em relação ao aquecimento global

Por Gisela Breno

08 de dezembro de 2023, às 09h31 • Última atualização em 08 de dezembro de 2023, às 09h32

Não somente no cenário nacional, mas também global, duas questões desafiadoras exigem alerta urgente e ação imediata da sociedade: o negacionismo em relação às vacinas e o em relação ao aquecimento global. Embora sejam temas distintos, ambos têm uma característica preocupante, a resistência à crença em evidências científicas.

O negacionismo em relação às vacinas tem ganhado terreno em meio à disseminação nas redes sociais de informações falsas e teorias da conspiração. A recusa em imunizar-se não é apenas uma escolha individual, mas uma ameaça à saúde coletiva.

A história mostra que as vacinas são instrumentos essenciais para erradicar doenças e para proteger a população. A desconfiança infundada nessas conquistas científicas coloca em risco, não apenas a saúde daqueles ,que optam por não se vacinar, mas também a saúde de comunidades inteiras.

Traçando um paralelo com o negacionismo em relação ao aquecimento global, encontramos uma resistência semelhante às evidências científicas inequívocas. A mudança climática é uma realidade inegável, com impactos devastadores no meio ambiente e na vida dos seres vivos .

No entanto, um contingente considerável de pessoas ignoram as evidências, promovendo a ideia de que as atividades humanas não são significativamente relevantes para o aquecimento.

A negação do aquecimento global não representa apenas riscos para os ecossistemas e a biodiversidade, mas também prejudica os esforços coletivos para combater as mudanças climáticas e proteger nosso planeta para nossa e para as gerações futuras.

Ambos têm raízes profundas na desconfiança em relação à ciência e às instituições científicas. A sociedade contemporânea enfrenta o desafio de cultivar uma compreensão mais profunda da importância da ciência e promover uma cultura baseada em evidências. A ciência é um farol que ilumina o caminho para soluções sustentáveis e saudáveis.

Esses desafios, requerem um esforço conjunto da sociedade, líderes políticos e educadores, pelo compromisso com a verdade, baseada em dados científicos confiáveis; um trabalho de construção de um pensamento crítico capaz de discernir entre informações confiáveis e desinformação.

Nosso futuro depende, a meu ver, da nossa capacidade de aprender com o passado, enfrentar os desafios do presente, superar os negacionismos, promover uma cultura de informação baseada em evidências e abraçar a ciência como um guia essencial para a sobrevivência e sustentabilidade.

Gisela Breno

Professora, Gisela Breno é graduada em Biologia na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e fez mestrado em Educação no Unisal (Centro Universitário Salesiano de São Paulo). A professora lecionou por pelo menos 30 anos.