25 de janeiro de 2021 Atualizado 22:21

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Editorial

Moderação nas urnas

Por Redação

02 dez 2020 às 08:02

O fim do segundo turno das eleições, no último domingo, trouxe conclusões relevantes sobre os movimentos políticos e ideológicos no País. Os resultados das urnas indicaram uma decadência de candidatos de esquerda e de ideias extremistas.

Partido tradicional na disputa de governos no período de redemocratização, o PT assistiu neste ano a apuração nas capitais e principais cidades brasileiras se encerrar sem nenhum eleito a comemorar. Com a liderança centralizada ainda na figura do ex-presidente Lula, a sigla foi colocada em comparação diante da ascensão de nomes como Guilherme Boulos (PSOL) e Manuela D’Ávila (PCdoB).

Pela região, o partido praticamente passou com figurante, tendo fracassado em Sumaré, onde sequer lançou candidato, em Hortolândia, onde tinha relevância política histórica, e em Americana, cuja concorrente à prefeitura teve menos votos que vereadores eleitos.

Da mesma forma, também fracassaram os nomes que quiseram aproveitar a onda bolsonarista, vinda de 2018. Uma grande parte de candidatos buscou atrelar a imagem ao do capitão que se tornou presidente, o que não vingou. O maior exemplo foi a derrocada de Marcelo Crivella (Republicanos), varrido da Prefeitura do Rio por um candidato ligado ao centrão.

Esta ala, por sinal, colhe seus trunfos. Partidos como DEM, PP e PSD, posicionados como centro-direita, ampliaram controle sobre o governo de grandes cidades. O último, por sinal, foi protagonista do pleito na região. Dos cinco prefeitos eleitos, dois são do PSD, que também fez o maior número de eleitos se considerar o Legislativo.

Em que pese o antagonismo político e a polarização tenham tomado palco nos últimos anos nas disputas eleitorais, não foi o que ocorreu em 2020, quando o eleitor optou pela razoabilidade e moderação. Um ensaio, talvez, para 2022.

O Liberal

Neste blog você encontra a opinião do Grupo Liberal de Comunicação, por meio dos textos editoriais publicados na edição impressa.