03 de dezembro de 2021 Atualizado 07:23

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Smart Tech

Inovação e Tecnologia são a mesma coisa?

A inovação pode ser, muitas vezes, intangível, já a tecnologia é sempre tangível

Por Eryvelton Baldin

14 out 2021 às 08:25 • Última atualização 04 nov 2021 às 09:23

Neste artigo do Smart Tech, gostaria de aproveitar para discutir um pouco sobre os conceitos de tecnologia e inovação.

Sempre que ouvimos falar de um novo produto com uma nova tecnologia mais recente colocada no mercado ou inventada por cientistas, imediatamente, pensamos em inovação.

Mesmo departamentos em empresas ou organizações, geralmente, combinam inovação e tecnologia ligando as duas em um conceito quase único.

Na sociedade digital, qualquer novo avanço tecnológico é considerado como inovação de imediato, como um caminho a ser seguido, como a prova de que estamos fazendo algo certo para progredir.  

Então, tecnologia e inovação são a mesma coisa?

Vou tentar responder esta questão pensando, primeiramente, no que envolve o termo inovação. A inovação procura desafiar o senso comum, divergindo da perspectiva usual e/ou comum, através do desenvolvimento e do uso de novos produtos, métodos ou conceitos.

Esta inconformidade e rebeldia em tentar interpretar um problema ou questão para encontrar diferentes abordagens e soluções, que talvez não tenhamos considerado antes, é a base do pensamento inovador.

É um exercício e um processo mental que pode ser aplicado as várias circunstâncias da vida e exige que olhemos para o contexto todo e questionemos nossas suposições. Além disto, Steve Jobs dizia que para estar à frente do mercado é preciso “olhar para as bordas”.

No universo acadêmico, sempre nos perguntam sobre como desenvolver a inovação. Que comportamentos, habilidades e atitudes são necessárias para se tornar-se um profissional inovador? Eu acredito que as principais características deste tipo de indivíduo são a curiosidade, a resiliência e a capacidade de trabalhar em equipe.

A curiosidade é a base da inovação à medida que nos permite olhar o mundo e todos os seus desafios com admiração e sede de desenvolvimento e de criatividade para encontrar novas soluções e apresentar novas ideias.

Nessa jornada, quando paramos de aceitar as coisas como são, a curiosidade e seu desejo inerente de aprender nos levam a novas descobertas.

Sobre a resiliência. Esta palavra nem era utilizada há 20 anos, porém passou a fazer parte dos jargões utilizados pelo universo “coaching” e significa “capacidade de superar, de se recuperar de adversidades, de continuar agindo frente às adversidades”. Acredito que todos que correm atrás de seus sonhos e os agarram com unhas e dentes podem dizer que entendem o conceito de resiliência. Resiliência para continuar pensando, experimentando e fracassando é a chave para a inovação. Essa habilidade é o que torna os inovadores criativos, imaginativos e curiosos – não há falha, apenas aprendizado.

Percebam que citei algumas características de inovação e não falamos em tecnologia. Inovação é um processo centrado no ser humano. Este processo requer experimentação e interação, uma equipe diversificada e um desejo de aprender enquanto se falha.  Soluções inovadoras podem resultar em nova tecnologia, mas inovação não é igual a tecnologia. A inovação pode ser – muitas vezes – intangível, já a tecnologia é sempre tangível.

A tecnologia, via de regra, pode ser usada para implementar a inovação, mas a tecnologia em si não produz necessariamente inovação.  De fato, pode ser um meio útil e poderoso para nos permitir testar e interagir de forma mais rápida e eficiente, mas não é o resultado final da inovação.  Dependendo do problema ou desafio a ser superado em nossos negócios, a inovação não precisa ser, necessariamente, complicada ou exigir tecnologia superavançada que, talvez, pudesse até criar um empecílho na sua aplicação junto nosso público. O que permite soluções simples que não foram pensadas antes e podem ser facilmente aplicadas para o benefício de nossos públicos pretendidos.

Vou dar um exemplo: O primeiro carro elétrico que se tem notícia foi construído por Thomas Davenport em 1835. Disto podemos compreender que a tecnologia do carro elétrico não é algo inovador; no entanto, a maneira como ele está sendo projetado e construído nos dias atuais denota muita inovação e tecnologia.

Por fim, espero ter esclarecido que inovação e tecnologia não são a mesma coisa.

A despeito disto, semanalmente, ambos os conceitos e também o de empreendedorismo serão trazidos aqui neste blog. 

Eryvelton Baldin

Com formação em administração, marketing e logística empresarial, é gestor de educação corporativa e de projetos especiais do InverGroup e coordenador de cursos da FAM (Faculdade de Americana)

Henrique Costa e Eryvelton Baldin

Assinado por Henrique Costa e Eyvelton Baldin, conteúdo sobre tecnologia, inovação e empreendedorismo