30 de maio de 2020 Atualizado 19:31

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Histórias de Americana

Fiat Lux

Por Elizabete Carla Guedes

05 ago 2019 às 09:22 • Última atualização 28 abr 2020 às 09:24

João Solidário Pedroso, primeiro professor negro da cidade, se dedicou à formação primária no grupo escolar da Villa Americana.

Patrono da escola instalada no bairro São Manoel, foi nascido na cidade de Campinas em 29 de abril de 1887, filho de João Leoncio de Carvalho e de Maria Thomazia.

Não se encontraram dados referentes a sua formação, porém, sabe-se que chegou em Villa Americana por volta de 1911, e lecionou na cidade por 19 anos.

Pedroso foi casado com Benedicta de Andrade Solidário e com ela teve cinco filhos: a primogênita Maria Hebe, Eurydice, Laerte, José Perseu, e Benedicto Moacyr.

Não se sabe a data exata em que deixa o município, indo residir em Campinas, onde falece em 25 de julho de 1937, vítima de pneumonia.

O homem que tanto se preocupou e se dedicou à educação infantil, foi, antes de tudo, um intelectual, e teve merecidamente seu nome no hall do primeiro corpo docente que se formou na então vila.

Restam poucos documentos que remetam a sua vida e que conseguimos resgatar para jogar luz a sua biografia.

A importância do resgate da memória e da história de um povo se faz crucial, para que não nos lembremos desses grandes vultos da educação americanense, apenas como nomes jogados ao vento.

Foram pessoas que, com vontade e dedicação, formaram aqueles que, de algum modo, dirigiram a história da Vila Americana no curso do destino.

No tempo em que se preservavam as letras, os professores, certamente eram vistos como portadores da sabedoria.

*Elizabete Carla Guedes é membro do grupo Historiadores Independentes de Carioba, dedicado à pesquisa histórica sobre Americana

Historiadores de Carioba