19 de abril de 2021 Atualizado 16:49

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Estúdio 52

‘WandaVision’ encerra ciclo e entrega temporada à altura do MCU

Último episódio da série equilibra pancadaria e roteiro, sem perder de foco os dramas de sua protagonista

Por André Rossi

05 mar 2021 às 16:25

Exibido mundialmente nesta sexta-feira (5) via Disney+, o nono e último episódio da temporada de “WandaVision” fecha o arco mais difícil da trajetória de Wanda até agora no MCU (Universo Cinematográfico da Marvel).

Sem nenhuma aparição especial de outros Vingadores nesta conclusão, a série se sustenta por si só e entrega a história que se propôs a contar desde o início. Antes de abordarmos o episódio, propomos uma rápida reflexão.

Episódio final fecha arco importante de Wanda, mas que ainda vai ressoar no MCU – Foto: Divulgação

Não nego que a Marvel “provocou” os fãs durante toda a temporada com pequenas referências ou indícios, aqui e ali, de que algo “mais grandioso” aconteceria. A decisão de trazer Evan Peters, o Mercúrio dos filmes do X-Men, para viver o personagem no MCU deixa clara essa intenção.

Ao mesmo tempo, é preciso reconhecer que o público nerd está desacostumado a consumir séries com periodicidade semanal. Há um desespero por adivinhar o que acontecerá em seguida que movimenta todo um mercado especulativo de produtores de conteúdo.

Existiam motivos para crer que Mefisto apareceria na série? Evidentemente. O próprio Estúdio 52 abordou o tema por aqui. As possibilidades eram interessantes. Contudo, podemos afirmar com tranquilidade que nunca deixamos de lado os dois principais motivos para assistirmos “WandaVision”: Wanda e Visão.

Por que assistir uma série de nove episódios na expectativa insana de que o Dr. Estranho ou qualquer outro herói aparecesse? A série é sobre Wanda, um dos mais poderosos seres já criados nos quadrinhos. Ela é interessante por si só.

A forma como a série ressignifica a personagem é digna de aplausos. Trata-se de um excelente trabalho de roteiro, competente em introduzir até mesmo um dos mais subjetivos poderes: a manipulação de probabilidades, como visto no episódio anterior e que preenche lacunas deixadas em “Vingadores: A Era de Ultron”.

A série sempre foi sobre os dois, apesar de termos deixado isso de lado em alguns momentos – Foto: Divulgação

Portanto, fica o alerta para quem está ansioso pelas próximas séries do MCU no Disney+: contenha suas expectativas e aproveite o show. Dito isto, vamos falar sobre o episódio com SPOILERS.

Pancadaria e roteiro na medida certa

“WandaVision” é uma série sobre luto. Sobre a dor de perder alguém – mais de uma vez no caso de Wanda – e não conseguir digerir isso. Praticamente toda a vida personagem é pautada pelo luto até este ponto.

Novamente, Wanda tem que se despedir de Visão – Foto: Divulgação

Todos os episódios, sem exceção, trataram da solidão e da completa falta de perspectiva de Wanda. Neste final de temporada, a série recorre à pancadaria para entregar uma conclusão, mas sem deixar de lado o roteiro.

É possível afirmar que a arrogância de Agatha Harkness provocou sua ruína. Mesmo sabendo que Wanda era mais poderosa do que o Mago Supremo (leia-se Dr. Estranho), ela julgou que seria uma boa ideia sugar o poder alheio na base da força.

Foi descuidada, não percebeu o plano de Wanda e acabou presa no próprio papel que escolheu para desempenhar na “série”: a vizinha bobalhona. O fato de Wanda a ter mantido a vilã presa nessa ilusão deixa claro de que a personagem deve reaparecer futuramente.

Já o embate entre o Visão Branco e o Visão criado por Wanda entregou a carga filosófica necessária para o episódio respirar e não se resumir ao conflito. Agora, pode-se dizer que Visão Branco, a versão remontada do herói, realmente está vivo.

Com suas memórias recuperadas, o sintozóide está solto no mundo, pronto para ser utilizado pela Marvel a qualquer momento.

O principal conflito para Wanda neste fim de temporada não foi superar Agatha, e sim abrir mão daquilo que ama. Novamente, para libertar os moradores de Westview, ela se vê obrigada a se despedir e aceitar a morte de Visão, além de perder seus dois filhos.

Wanda assume o manto de Feiticeira Escarlate – Foto: Divulgação

Um dos detalhes mais interessantes em termos de universo é que a série realmente estabeleceu que uma parte da joia da mente se fundiu ao corpo de Wanda quando ela foi exposta ao artefato no passado. É por isso que ela conseguiu dar vida para Visão, que se revelou uma parte essencial da própria personagem: sua dor, amor e esperança.

É difícil não se emocionar com o final do episódio, que encerra a fase de luto de Wanda e abre um leque de possibilidades para a personagem. Heroína, vilã ou antagonista? São caminhos palatáveis para a Feiticeira Escarlate, que tem poder suficiente para destruir o mundo.

O que vem a seguir

Temos duas cenas pós-créditos neste episódio, ambas importantes para o futuro do MCU, mas em obras diferentes. Comecemos pela primeira.

Ainda em Westview, vemos Mônica Rambeau sendo contada por uma Skrul, raça alienígena que apareceu em “Capitã Marvel” e em “Homem-Aranha: Longe de Casa”. A visitante diz para a terráquea que um amigo de sua mãe quer vê-la e que ele a espera… lá no espaço.

A referência é óbvia. Ao final do último filme do teioso, descobrimos que Nick Fury (Samuel L. Jackson) está comandando uma base no espaço, enquanto um Skrul chamado Talos assumiu a forma de Nick Fury na Terra para que o original pudesse cuidar de assuntos ainda não revelados.

Eis o gancho para “Changeup Productions”, título provisório para a série que está em produção para a Disney+ e adaptará um arco clássico dos quadrinhos: “Invasão Secreta”. Na trama, os heróis descobrem, pouco a pouco, que seus amigos e inimigos tem sido substituídos discretamente por… skrulls.

Já estão confirmados como protagonistas Fury e o próprio Talos, vivido pelo ator Ben Mendelson.

A expectativa é de que a série tenha seis episódios, assim como “Falcão e o Soldado Invernal”, que estreia neste mês. Por enquanto, ainda não há uma data de estreia confirmada e as gravações devem começar em abril.

Em projeção astral, Wanda estuda o Darkhold, maior livro de magia da Marvel – Foto: Divulgação

Agora, vamos para a segunda cena pós-credito. Encontramos Wanda em um cabana isolada, tomando chá e curtindo o isolamento social (não por motivos de pandemia).

Porém, a câmera deixa a protagonista na cozinha, segue para o quarto e encontramos Wanda em projeção astral, estudando freneticamente o Darkhold, o maior livro de magia negra do Universo Marvel, e chamado de “Livro dos Condenados” por Agatha Harkness.

O Darkhold já apareceu em outras séries da Marvel, como “Agents of Shield” e “Manto & Adaga”. Particularmente, creio que essas experiências anteriores não serão aproveitadas pelo MCU, mas é algo para se considerar.

O fato de Wanda conseguir manter o corpo ativo enquanto está em projeção astral já reforça a tese que, de fato, ela é mais poderosa do que o Dr. Estranho. Ao final da sequência, ela ouve os filhos pedindo socorro e a cena é encerrada.

Foi mais discreto do que o esperado, mas tivemos a conexão para “Dr. Estranho no Multiverso da Loucura”. É interessante notar que o tema do primeiro filme do Dr. Estranho embala brevemente essa última cena, deixando claro o gancho para o segundo filme, que só estreia em 2022.

Ainda é uma incógnita a forma como se dará a interação desses vingadores. Não apostaria que Wanda será antagonista ou vilã, pelo menos não nesse primeiro momento, mas a busca pelos filhos pode deixar as coisas complicadas.

NOTA: 5 de 5

André Rossi

Repórter do LIBERAL, está no grupo desde janeiro de 2019. Sempre em conflito por não saber o que priorizar: a eterna lista de filmes que só aumenta, as séries pendentes que não dão descanso, ou o backlog de RPG’s que nunca termina.

Estúdio 52

Quer saber sobre aquela série que está bombando na internet? Sim, temos. Ou aquele jogo que a loja do seu console vai disponibilizar de graça? Ok. Curte o trivial e precisa dos lançamentos do cinema? Sem problema, é só chegar.