19 de abril de 2021 Atualizado 15:25

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Estúdio 52

‘O Legado de Júpiter’ explora conflito entre gerações de super-heróis

Nova série da Netflix estreia em 7 de maio e tenta se destacar no já multi adaptado universo dos superpoderosos

Por Diego Juliani

11 mar 2021 às 16:59 • Última atualização 11 mar 2021 às 18:34

Se você conhece pelo menos um pouco de quadrinhos já ouviu falar de Mark Millar. Caso contrário, ele é o autor por trás de algumas das HQs mais famosas da última década, como “O Velho Logan”, “Guerra Civil”, “Kick-Ass”, “Kingsman: Serviço Secreto” e “Superman: Red Son”.

O escocês de 51 anos, que já transitou pelas duas maiores marcas do segmento no mundo, Marvel e DC, tem seu selo próprio desde 2004, a Millarworld, e agora vê a primeira adaptação da Netflix de uma obra sua – após negociar sua linha editorial em 2017 – se transformar em série: “O Legado de Júpiter”.

Conflito de gerações entre seres superpoderosos será mostrado na nova série da Netflix – Foto: Netflix_Divulgação

A HQ, que no Brasil foi publicada em 10 partes, e alterna entre os anos 1930 e 2000, é pouco conhecida, apesar de ter sido chamada pelo próprio Millar de “sua história de super-heróis definitiva”. A história basicamente usa a cultura dos superpoderosos para discutir a sociedade, mostrando um choque de gerações e até onde vão fardos e limites.

Série estreia no dia 7 de maio no catálogo brasileiro do serviço de streaming – Foto: Steve Wilkie_Netflix

De um lado, os primeiros super-heróis, que na década de 30 ganham seus poderes após uma expedição a uma ilha misteriosa na África, e passam a trabalhar no combate ao crime. Do outro, seus filhos, que, também poderosos, agem nos anos 2000 como celebridades irresponsáveis.

Josh Duhamel, conhecido pela franquia “Transformers”, é um dos protagonista do “Legado de Júpiter” – Foto: Marni Grossman_Netflix
Heróis recebem seus poderes ao explorarem uma ilha misteriosa na África – Foto: Steve Wilkie_Netflix

Apesar das semelhanças com outra série de sucesso – “The Boys”, da Amazon Prime, “O Legado de Júpiter” parece querer seguir um caminho menos visceral e mais filosófico sobre uma das culturas mais populares do mundo pop atual, adaptada à exaustão em seriados e filmes.

Nova geração de heróis tem que lidar com as decisões de seus pais durante a trama – Foto: Steve Wilkie_Netflix

A trama, que chega em 7 de maio à plataforma, terá oito episódios e traz Josh Duhamel, conhecido da franquia “Transformes”, como um dos protagonistas, no papel de Utópico, praticamente uma recriação do Superman no mundo de Millar.

Um teaser do seriado foi divulgado pela Netflix recentemente, mas não entrega muita coisa – Foto: Marni Grossman_Netflix

O elenco principal ainda tem Leslie Bibb como Grace, a Lady Liberdade, Ben Daniels como Walter, o Onda Mental, Andrew Horton como Brandon, o Paradigma, Elena Kampouris como Chloe Sampson, Matt Lanter como George, o Skyfox, e Mike Wade como Fitz, o Clarão.

A produção executiva é de Mark Millar, Frank Quitely, Lorenzo Di Bonaventura, Dan McDermott, Steven S. DeKnight, James Middleton e Sang Kyu Kim.

Um teaser da série foi divulgado recentemente pela Netflix, e deixa bem claro que as divergências entre passado e presente serão a tônica inicial. Resta saber se “O Legado de Júpiter” terá fôlego para garantir sua continuidade conquistando a audiência, e, sem esquecer do histórico da Netflix em encerrar seriados precocemente, mesmo que eles cativem o interesse de crítica e público.

Confira a sinopse:

Após manter a humanidade a salvo por quase um século, a primeira geração de super-heróis do mundo precisa convencer os filhos a continuar seu legado. Os jovens super-heróis, ansiosos por provar seu valor, sofrem para demonstrar que estão à altura da reputação dos pais.

Diego Juliani

Editor do LIBERAL, está no grupo desde 2010. Fã de um bom cinema com pipoca, séries que não dão sono e saudosista dos games dos anos 90, o que já entrega sua idade.

Estúdio 52

Quer saber sobre aquela série que está bombando na internet? Sim, temos. Ou aquele jogo que a loja do seu console vai disponibilizar de graça? Ok. Curte o trivial e precisa dos lançamentos do cinema? Sem problema, é só chegar.