06 de maio de 2021 Atualizado 23:59

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Estúdio 52

5º episódio de ‘Falcão e o Soldado Invernal’ tem racismo como pauta

Assunto recebe um destaque nunca antes visto no MCU; pano de fundo é a simbologia do Capitão América

Por Rodrigo Alonso

16 abr 2021 às 14:09

Não é coincidência que o manto de Capitão América tenha sido assumido por dois homens loiros e de olhos claros. Tanto Steve Rogers (Chris Evans) quanto John Walker (Wyatt Russell) são a representação do “herói americano ideal”, mais pela aparência deles do que pelas habilidades e personalidade.

A imagem de um negro nesse posto quebra paradigmas que são amplamente discutidos no quinto e penúltimo episódio da série “Falcão e o Soldado Invernal”, disponibilizado pela Disney+ nesta sexta-feira (16).

Esse último capítulo – o primeiro com cenas pós-créditos – tem o racismo como principal pauta. O assunto, inclusive, recebe um destaque nunca antes visto no MCU (sigla em inglês para Universo Cinematográfico Marvel), mesmo no filme “Pantera Negra (2018)” – a partir daqui, cuidado com spoilers.

Tudo começa com uma conversa entre Sam Wilson (Anthony Mackie) e Isaiah Bradley (Carl Lumbly), que reaparece na série após ser procurado pelo Falcão.

Mais receptivo do que no segundo episódio, Isaiah, que é um supersoldado, contou sua história com mais detalhes. No meio de seu relato, ele disse ter resgatado companheiros em uma prisão, assim como Steve Rogers fez em “Capitão América: O Primeiro Vingador (2011)”.

Apesar do ato heroico, Isaiah teve um tratamento diferente do que Steve. Ele ficou preso por 30 anos, período no qual passou por diversos experimentos, e foi praticamente apagado da história pelo governo americano. “Nunca vão deixar um homem negro ser o Capitão América”, disse.

Sam Wilson está disposto a se tornar o primeiro Capitão América negro – Foto: Divulgação / Disney

Contudo, Sam está disposto a mudar esse cenário e passa a treinar intensamente, com o escudo em mãos, para ser um Capitão América à altura. O episódio também fortalece a amizade entre ele e Bucky Barnes (Sebastian Stan), que se consolidam, de fato, como uma dupla.

Os dois, inclusive, protagonizam boas conversas. Em uma delas, eles dão a entender que Steve morreu, ao dizerem que ele “se foi”. Vale lembrar que, até então, havia uma dúvida sobre isso. Sam chegou afirmar, aparentemente em tom de ironia, no primeiro capítulo, que o “ex-Capitão América” estava na lua.

Séries, filmes, games, quadrinhos: conheça o Estúdio 52.

Outro ex-Capitão América
O quinto episódio também “aposenta” o novo Capitão América, John Walker (Wyatt Russell), condenado a perder esse posto e qualquer função militar após ter executado, publicamente, um membro do grupo Apátridas.

Esse “cancelamento” de Walker, no entanto, o torna ainda mais perigoso. Em sua cabeça, ele se recusa a abandonar o manto de Capitão América, a ponto de, na cena pós-créditos, fabricar um escudo idêntico ao do herói, após ter perdido o original para Sam.

Se Walker já era uma pedra no sapato em “Falcão e o Soldado Invernal”, agora ele deverá, realmente, se colocar como um vilão, o que pode dificultar ainda mais a vida de Sam e Bucky.

Rodrigo Alonso

Repórter do LIBERAL, está no grupo desde 2017. É “fifeiro” desde criança e, se puder, passa horas falando de filme e série, então nada melhor do que unir o útil ao agradável.

Estúdio 52

Quer saber sobre aquela série que está bombando na internet? Sim, temos. Ou aquele jogo que a loja do seu console vai disponibilizar de graça? Ok. Curte o trivial e precisa dos lançamentos do cinema? Sem problema, é só chegar.