22 de abril de 2021 Atualizado 23:55

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Artigos de leitores

Ela que lute na política

Por Awdrey Kokol

11 dez 2020 às 07:55

As eleições municipais recentes trazem algumas reflexões para o cenário político da cidade. Não há como negar, durante todo o período eleitoral, Americana esteve recheada de campanha de mulher. O resultado foi pouco surpreendente, apenas três mulheres irão ocupar as cadeiras na Câmara de Vereadores da cidade.

Sendo muito otimista, espera-se que poucas das postulantes fiquem na cola política e atuem efetivamente, afinal, para as mulheres a largada já está queimada na corrida eleitoral.

A grande maioria das mulheres ainda está designada aos cuidados da casa e dependentes, algumas ainda sustentam jornadas até triplas de trabalho.

Disputar eleições é um ato Herculano para a mulher e ainda há muitos obstáculos no caminho que fazem muitas desistirem.

Todas as candidatas sofrem algum tipo de violência de gênero durante a campanha, algumas são difíceis de identificar, sobretudo para a mulher que está tão habituada nessa estrutura machista.

A própria exigência de 30% de candidaturas femininas produz uma corrida frenética de arregimentação de mulheres que são mal orientadas e instruídas para o pleito impactando sobremaneira na representatividade da mulher.

A partir daí os ataques vêm de vários lados, sobre vários aspectos, atingem a moral, a conduta, a roupa, o tipo físico, a posição política, família e vários outros fatores são usados para desmoralizar a mulher com atribuições as quais os homens não precisam se preocupar.

Para a verdadeira representatividade são necessárias diversas mudanças na lei eleitoral como exigir a igualdade de assentos nos cargos legislativos e outras formas de conscientização do papel da mulher na política, porque na atual configuração, se uma mulher quer entrar na política, ela que lute!

Awdrey Kokol é advogada

Colaboração

Artigos de opinião enviados pelos leitores do LIBERAL. Para colaborar, envie os textos, com 1.800 caracteres (já contando os espaços), para o e-mail opiniao@liberal.com.br.