27 de fevereiro de 2021 Atualizado 16:21

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Pelas Páginas da Literatura

Centenário de Patrícia Highsmith

Escritora americana de suspense psicológico, Patrícia Highsmith faria 100 anos nesta terça-feira; conheça o livro Em Águas Profundas, relançado no Brasil

Por Marina Zanaki

19 jan 2021 às 16:42

No centenário de Patrícia Highsmith, celebrada escritora americana de suspense psicológico, uma de suas obras primas ganhou uma nova edição. Em Águas Profundas foi relançado em dezembro pela editora Intrínseca. Fui atraída pela trama e terminei a leitura na semana passada.

Patrícia Highsmith – Foto: Editora Intrínseca

O livro acompanha um casal que tem um estranho acordo – Vic aceita os casos da esposa Melinda, e os dois seguem morando na mesma casa, mas em quartos separados. Como se não bastasse, Melinda leva os amantes para eventos sociais e até mesmo para a residência do casal, causando estranheza na filha que tem com Vic.

No decorrer da história, a sensação é que Vic na verdade não aceita os casos, mas simplesmente não sabe como lidar com aquela situação. Em uma tentativa de impor respeito junto aos amigos do casal, que conhecem toda a trama, ele diz que assassinou um dos possíveis amantes de Melinda. Esse é o ponto de partida da história, que vai mostrar como essa notícia foi aceita (até mesmo compreendida) pelo círculo social do casal.

Águas Profundas foi relançado em dezembro pela editora Intrínseca – Foto: Editora Intrínseca

O livro é um suspense psicológico, que faz um mergulho na mente dos personagens e retrata o microcosmo daquela comunidade. Em algum ponto, os adultérios de Melinda parecem mais condenáveis do que a própria possibilidade de Vic ter matado uma pessoa.

A obra de Patrícia Highsmith desenvolve o maior potencial dos romances policiais: promover um mergulho psicológico nas “águas profundas” da mente humana. O livro brinca com a percepção moral do leitor, e consegue surpreender até a última página.

Dicas
Além desse livro, Patrícia Highsmith tem uma vasta obra de sucesso. Ela criou o personagem Tom Ripley, conhecido na literatura policial ao lado de nomes como Sherlock Holmes e Hercule Poirot; e teve o livro Estranhos em um trem adaptado para o cinema pelo mestre Alfred Hitcock, sob o nome de Pacto Sinistro.

Deixo ainda como indicação o drama Carol, adaptado para o cinema em 2015 e que está disponível na Netflix. O livro é exaltado como uma das primeiras obras que trazem um relacionamento amoroso entre duas mulheres com um final feliz. À época da publicação, Patricia Highsmith recebeu cartas de leitoras que se sentiram acolhidas pelo final esperançoso.

Marina Zanaki

Repórter do LIBERAL, a jornalista Marina Zanaki é aficionada pela literatura e discutirá, neste blog, temas relacionados ao universo literário.