13 de junho de 2021 Atualizado 08:21

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Papo Fermentado

Catharina Sour: o primeiro estilo de cerveja brasileiro

Se você ainda não ouviu falar sobre escolas cervejeiras, vamos fazer um resumo!

Por Papo Fermentado

06 Maio 2021 às 08:46

Existem quatro escolas cervejeiras e não estamos falando sobre um lugar onde as pessoas vão para estudar cerveja. Escolas cervejeiras são uma forma de categorização, de modo que quando ouvimos o nome de determinado estilo já sabemos de qual país é oriundo e suas principais características.

São locais em que a identidade cervejeira é muito forte, faz parte de sua história, da construção da sociedade e é parte de suas tradições, são países que desenvolveram suas próprias receitas, seu perfil sensorial. Temos a escola Germânica, Britânica, Franco Belga e Americana.

De forma geral, a germânica é a mais tradicional de todas, defende muito o consumo local e cada cidade tem sua própria cervejaria. A Britânica é fortemente conhecida pela cultura do pub, das cervejas tostadas e torradas e do lúpulo de perfil herbal e terroso. A Franco Belga é a escola da criatividade, das cervejas refermentadas em garrafa, fermentadas de forma espontânea, com especiarias e frutos. Já a Americana é a mais recente das quatro, fez a releitura de muitos estilos ingleses e belgas e colocou toda sua personalidade e inovação nas receitas, além de seus lúpulos cítricos, frutados, resinosos…

Se você está se perguntando se o Brasil faz parte de alguma escola cervejeira, a resposta é: ainda não. Para que possamos nos consolidar dessa forma precisamos criar nossas próprias receitas, nossa própria identidade, termos nossa marca registrada. Somos o terceiro maior produtor de cerveja do mundo, mas ainda precisamos avançar em alguns aspectos. E já começamos! A plantação de lúpulo no Brasil, por exemplo, é um grande avanço para nós.

Você sabia que temos um primeiro estilo provisório já registrado no BJCP? Para saber mais sobre esse guia de estilos é só clicar AQUI. Ele é chamado de Catharina Sour e vamos falar mais sobre ele.

Exemplo de Catharina Sour da Cervejaria Blumenau com utilização de maracujá – Foto: Divulgação

O estilo nasceu em Santa Catarina em 2015. As cervejarias locais começaram a produzir um estilo alemão chamado Berliner Weisse, mas com adição de frutas e mais alcoólica (o estilo “original” possui acidez mas não tem adição de frutas). A Cervejaria Blumenau e o The Liffey Brew Pub batizaram a primeira cerveja com o nome de Catharina Sour: a Coroa Real, uma cerveja com adição de abacaxi e hortelã.

Com o passar do tempo, as diretrizes desse novo estilo começaram a ser pautadas e outras cervejarias deram início a suas produções. Em março de 2018 o Concurso Brasileiro da Cerveja, realizado em Blumenau, adotou o estilo na competição e em 2018 o BJCP o reconheceu como estilo provisório.

É uma cerveja de trigo com adição de frutas frescas (pode ser mais do que uma), possui acidez lática, é leve, refrescante e bem carbonatada. O amargor é bem baixo, o corpo é leve e a fruta que quase sempre é de origem tropical é o destaque nessa cerveja tanto no aroma quanto no sabor. Sua característica de fermentação não permite aromas rústicos e selvagens, chamamos de fermentação limpa e tanto o álcool quanto o lúpulo e o malte são pouco perceptíveis.

Temperos, ervas e vegetais podem ser utilizados e sua cor vai variar de acordo com a fruta utilizada, mas na maioria das vezes é bem clara. Possui aftertaste seco, ácido e frutado e o IBU fica entre 2 e 8 e o ABV entre 4,0% e 5,5%.

Esse estilo não está no guia definitivo, pois como já vimos anteriormente, o BJCP é criterioso para incorporar estilos e sempre aguarda para ver como o estilo vai se comportar, como será a aceitação no mercado. Quando surgiu houveram discussões sobre a necessidade de se ter realmente um estilo novo, se não era a adaptação de algum já existente, por exemplo.

Para nós, é um novo estilo sim pois não se encaixa em Berliner Weisse por ser mais alcoólica e levar frutas frescas, é menos ácida que uma Lambic, não é uma Fruit Beer pois tem acidez obrigatória e não é uma Wild Ale pois a fermentação é limpa, não tem caráter selvagem.

Você já conhecia esse estilo? Já provou? Indicamos os rótulos da cervejaria Lohn Bier,Unicorn e Blumenau para provarem!

Saúde!

Papo Fermentado

Blog do casal Fernanda Brito e Bruno Martinelli, sommeliers de cerveja pelo Instituto da Cerveja Brasil. Amamos contar nossas experiências gastronômicas, a história que envolve a linha do tempo da cerveja e dicas para quem quer se aventurar nesse universo. Fale com a gente pelo ola@papofermentado.com.br ou WhatsApp (16) 99339-1221. Nas redes sociais, somos o @papofermentado.