02 de julho de 2022 Atualizado 17:02

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Artigos de leitores

Bronca da minha mãe

Por Geraldo Trombin

14 de janeiro de 2022, às 07h23

Longe de mim começar um texto explicando o título. Mas, nesse caso, vou abrir uma exceção, só para dirimir qualquer mal-entendido e não causar nenhuma dúvida. Não! Não estou realmente com bronca da minha mãe.
Bronca tenho do negacionismo da pandemia do coronavírus e suas variantes, da gravidade das fake-news que são espalhadas diariamente, do preconceito, do desrespeito ao idoso e ao portador de necessidades especiais, da disseminação da fofoca e da falsa felicidade nas redes sociais demonstrada por algumas pessoas.

Bronca tenho das tragédias em Santa Maria, na Boate Kiss, em Suzano, Mariana, Brumadinho e mais recentemente em Capitólio.

Bronca tenho do salário mínimo, que está cada vez mais mínimo; dos aumentos dos combustíveis que são frequentes, da cesta básica, da energia, do IPTU e do IPVA.

Bronca tenho do motorista que dirige embriagado, provoca graves acidentes e ainda foge sem socorrer as vítimas. Bronca tenho dos golpes – sequestros, roubos, extorsões – provocados pela quadrilha do Pix. Bronca tenho dos apresentadores de um programa de televisão que falam “supertição” em vez de superstição.

Bronca tenho de gente que começa a falar de uma coisa e não termina, emenda em outra, que emenda em mais outra e mais outra e acaba esquecendo do que ia falar no início. Assim como eu. Voltando ao caso da bronca da minha mãe.

É que um dia desses, ao mostrar uma nova trova para a Dona Pierina – que, particularmente, eu tinha achado muito legal -, levei a maior bronca dela (xiiii, deu ruim, deu um cacófato aí, mas vou deixar assim mesmo!). Ao terminar de lê-la, com um sorrisinho no canto da boca e um olhar de soslaio, ela me disse: -Tá boa, mas é bem triste. Precisa parar com isso. A partir de agora só escreva coisas alegres!

Obediente que sou, atendendo ao seu pedido, prometi que esse seria o meu último texto-lamento. #SQN: afinal, eu nasci no dia primeiro de abril! Não é verdade? (rssss)

Geraldo Trombin é publicitário e escritor

Colaboração

Artigos de opinião enviados pelos leitores do LIBERAL. Para colaborar, envie os textos para o e-mail opiniao@liberal.com.br.