06 de maio de 2021 Atualizado 14:53

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Virando a Chave

Até quando você vai ficar parado?

Em qual dos perfis citados no texto você se encaixa? Das pessoas que buscam a mudança e o autoconhecimento, ou das que ficam paradas?

Por Ivan Maia

01 fev 2021 às 14:23 • Última atualização 02 fev 2021 às 08:46

Basicamente, existem dois perfis de pessoas no mundo: aquelas que tomam uma postura ativa e fazem as coisas acontecerem e aquelas que reclamam e ficam passivas diante das situações da vida.

Em qual lado você se encontra? Do lado da mudança ou da estagnação?  Descubra agora como não ficar parado.

Vou compartilhar um texto que serve como base para nossa reflexão a respeito do tema deste artigo.

A cidade dos buracos

Havia uma cidade que não era habitada por pessoas, mas por buracos. Buracos viventes. Haviam buracos ostentosos, de mármore e buracos humildes, de tijolos. Um dia chegou uma nova moda: o importante é o interior, não o exterior! Foi assim que os buracos começaram a se encher de coisas… De ouro e joias.

Outros, mais práticos, de eletrodomésticos. Alguns, de arte ou instrumentos musicais. Os intelectuais encheram-se de livros. A maioria dos buracos encheu-se a tal ponto que não cabia mais nada, e para solucionar a situação, começaram a alargar-se.

Mas, um pequeno buraco percebeu que, se todos fizessem o mesmo, em pouco tempo a cidade se transformaria em um único buraco… E todo mundo perderia a sua identidade.

Então, ele teve uma ideia: pensou que outra forma de aumentar a sua capacidade seria aprofundar-se ao invés de alargar-se. Mas percebeu que isso seria impossível devido a tantas coisas que ele já continha!

Decidiu, então, esvaziar seu conteúdo. Primeiro, teve medo do vazio, mas quando percebeu que não existia outra possibilidade, assim o fez. Um dia, de tão profundo, achou água. Nunca antes outro buraco tinha achado água! Nesse lugar quase nem chovia e a água extra permitiu que as paredes do buraco se cobrissem de verde, e assim, chamaram-no “O Manancial”.

Os outros buracos queriam a água, mas quando perceberam que teriam que se esvaziar, preferiram continuar a alargar e encher-se de coisas inúteis. Outro buraco, no outro lado da cidade, conseguiu esvaziar e chegar à água, criando assim um oásis.

Os dois buracos perceberam que a água que tinham achado era a mesma, que só estavam longe um do outro, mas o lençol era o mesmo. Tinham, então, um novo ponto de contato. A comunicação profunda que só conseguem entre si aqueles que têm a coragem de esvaziar-se de seus conteúdos e buscar, no fundo do seu ser, aquilo que têm para dar e compartilhar. (Autor desconhecido).

Esvazie-se

Quando li este texto, há mais de 20 anos, eu não pude deixar de pensar no ser humano comum que se enche de coisas inúteis. A inutilidade aqui se refere tanto no sentindo material quanto no intelectual.

Existe uma grande parcela da população que gosta de assistir telejornais, novelas, reality show etc. Apropriam-se de informações que não trazem nenhum benefício para suas vidas e enfraquecem suas mentes deixando-as paupérrimas.

Enquanto isso há um grupo pequeno de pessoas que usam o cérebro, que se esvaziam das inutilidades. Não se alargam com os excessos, mas se aprofundam em assuntos que trarão benefícios em suas vidas. Buscam conhecimento, enchem a vida de amor, solidariedade, carinho etc.

O texto “A cidade dos buracos” faz uma analogia sobre o que vivemos hoje. Temos tanta tecnologia, mas não sabemos fazer o uso adequado dela. O conhecimento está em nossas mãos, porém, nunca fomos tão ignorantes.

Qual é o seu perfil?

Em qual dos perfis citados no texto você se encaixa? Das pessoas que buscam a mudança e o autoconhecimento, ou das que ficam paradas e se preocupam apenas com informações que não agregam em nada para suas vidas?

Falo isso por experiência e com plena convicção, no auge dos meus 58 anos, que “nada acontece na vida, é você que faz acontecer”. Anote outra frase que vou escrever aqui: “nada tem significado na vida; o significado quem dá é você”.

Até quando?

A letra da música do compositor Gabriel O Pensador, chamada “Até quando?”, foi escrita no sentido figurado e revela uma crítica política e social.

Ela nos exorta para sairmos da zona do conformismo e ir à luta para alcançar nossos objetivos e não nos acomodarmos em viver numa sociedade sendo refém do que é imposto.

Não adianta olhar pro céu, com muita fé e pouca luta. Levanta aí que você tem muito protesto pra fazer e muita greve, você pode e você deve, pode crer.

Não adianta olhar pro chão virar a cara pra não ver, se liga aí que te botaram numa cruz e só porque Jesus sofreu não quer dizer que você tenha que sofrer.

Até quando você vai ficar usando rédea? Rindo da própria tragédia?
Até quando você vai ficar usando rédea? Pobre, rico ou classe média?…

A letra continua com indagações sobre a realidade social. Fiz questão de colocar um trecho aqui para que você observe que o compositor faz perguntas com cunho crítico que nos levam a refletir até quando as pessoas ficarão passivas, acomodadas, vendo a vida passar como se tudo fosse algo normal.

A letra é o retrato do que vivemos no presente, consequências de escolhas vividas no passado e que certamente refletirão no futuro. Que possamos fazer a diferença hoje! A mudança começa por mim e por você.

Termino com a última frase do autor da música: “Seja sempre você mesmo, mas não seja sempre o mesmo”.

Ivan Maia

Ivan Maia é treinador emocional, estrategista empresarial, NLP Practiotiiner, palestrante, conferencista e escritor de livros. Ele tem mais de 3 milhões de alunos treinados em mais de 25 países.