25 de maio de 2022 Atualizado 01:01

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Artigos de leitores

Abateram o grande pássaro branco

Por Carlos Roberto Bertollo

12 Maio 2022, às 08h00

Foi na década de 1980 que o governo da URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas) resolveu desenvolver duas aeronaves para transporte do ônibus espacial Buran e do foguete propulsor. Fabricado pela Antonov Design Bureau, na República Socialista Soviética Ucraniana, o protótipo voou em 21 de dezembro de 1988. Sua tarefa era transportar partes do ônibus espacial e do foguete produzidos em diversos locais da União Soviética para o cosmódromo de Baikonur, localizado no Cazaquistão.

Com o fim do programa espacial russo, o Antonov AN 225 ficou estacionado por um certo tempo e a segunda aeronave foi iniciada e não concluída. Modernizado e administrado pela Antonov Airlines, o único exemplar voltou a voar como cargueiro comercial. Conhecido como Mriya, em ucraniano significa “sonho” e tem as seguintes dimensões: 84 metros de comprimento por 88,4 metros de envergadura (distância de uma ponta da asa a outra) e 18,1 metros de altura. Impulsionado por seis motores turbofan, a velocidade de cruzeiro é de 800 Km/h, autonomia de voo de 15,4 mil km quando está vazio e quatro mil km com carga. Atinge altitude máxima de nove mil metros. Peso máximo na decolagem é de 640 toneladas, (aeronave, carga e combustível). Transporta até 250 toneladas de carga. Equipado com trem de pouso de 32 pneus, sendo quatro no trem dianteiro e 28 no trem traseiro.

A tripulação é composta de dois pilotos e quatro engenheiros de voo. Em 2016, o grande pássaro veio nos visitar. Ele transportou de Campinas para o Chile um transformador de 182 toneladas. O AN 225 detém vários recordes registrados no Guines Book. Em 27 de fevereiro deste ano, o grande pássaro estava em manutenção no hangar do aeródromo de Hostomel, próximo de Kiev. Neste triste dia na história da aviação, ele foi destruído durante a invasão russa na Ucrânia.

Atingido e ferido gravemente, não pode mais voar. Quem sabe no futuro, a segunda aeronave possa ser concluída e que o Mriya “sonho” volte a nos encantar.

Carlos Roberto Bertollo é estudioso da Lenda de Ícaro e criador de réplicas de aeronaves.

Colaboração

Artigos de opinião enviados pelos leitores do LIBERAL. Para colaborar, envie os textos para o e-mail opiniao@liberal.com.br.