15 de abril de 2021 Atualizado 23:39

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Artigos de leitores

57 anos depois do 31 de março de 1964

Por João Tavares

06 abr 2021 às 07:24

Era 1963 e o País vivia momentos dramáticos de incertezas, tumultuados, sem rumo com manifestações e clamor das ruas com instabilidade política permanente. Eram frequentes as agitações com movimentos estudantis, sindicatos, militantes, ativistas, partidos de esquerda na legalidade ou não, infiltrados e inocentes úteis.

Em São Paulo, as manifestações convergiam para a Praça da Sé, que terminavam em confronto campal com a então Guarda Civil e a Cavalaria da Força Pública (hoje PM). O comércio fechava suas portas. A democracia estava ferida e doente, desenhavam-se duas únicas opções: um autoritarismo com viés de esquerda ideológico e um autoritarismo de centro-direita.

O caos insustentável culminaria com o comício de 13 de março, na Cinelândia, no Rio, Viaduto do Chá e outras capitais. O povo saiu às ruas para a Marcha da Sociedade com Deus pela Liberdade, exigindo mudanças radicais de Estado. Desse descontentamento as Forças Armadas deflagraram o 31 de março de 1964, implantando a hegemonia militar.

Os civis diziam que era a revolução de 64. Os militares que foi a contra revolução. Logo depois um jovem amigo da família foi preso pelos militares. Sua mãe pediu que eu levasse roupas e cigarros. Fui ao local e depois de ser revistado um soldado me levou numa sala. Entrou um oficial e perguntou:

“Você tinha conhecimento das atividades do seu amigo no sindicato tal? Não! Ele era ativista ou inocente útil? Nunca soube! Pode-se se retirar mandarei entregar o que você trouxe. Posso vê-lo? Negativo! Está incomunicável, mas diga para a mãe dele que está bem!”

Um dia fomos visitá-lo. Um oficial disse: “É jovem inteligente, vai se formar, casar, terá filhos e talvez mude suas opiniões políticas”. As semelhanças com os dias atuais podem ser meras coincidências!? Agravados hoje pela pandemia.

João Tavares é aposentado e colaborador

Colaboração

Artigos de opinião enviados pelos leitores do LIBERAL. Para colaborar, envie os textos, com 1.800 caracteres (já contando os espaços), para o e-mail opiniao@liberal.com.br.