21 de abril de 2021 Atualizado 00:43

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Pelas Páginas da Literatura

100 anos de Clarice Lispector

Se estivesse viva, a escritora completaria 100 anos nesta quinta-feira; veja a indicação do conto “Amor”

Por Marina Zanaki

10 dez 2020 às 09:45

Clarice Lispector me intimidava. Para além das frases de efeito atribuídas a ela nas redes sociais, a autora é conhecida por sua escrita original e profunda. As sinopses dos livros vendiam uma escritora difícil, com tramas herméticas, e eu tinha medo de não entender nada.

O que as sinopses não contavam era que Clarice fala sobre os sentimentos e pensamentos mais pessoais, coisas que todo mundo conhece no seu mundo interior.

Acho que ler Clarice é semelhante a olhar para uma instalação artística. Só passar os olhos não é suficiente, é preciso se envolver, questionar o que os elementos significam e estar atento ao diálogo pessoal que a a arte estabelece com a nossa própria história de vida.

No centenário do nascimento de Clarice Lispector, comemorado nesta quinta-feira, deixo uma sugestão de um conto para quem ainda não leu a autora. História curta, “Amor” é uma boa porta de entrada para o universo da escritora.

O conto acompanha um dia na vida de uma mulher, dona de casa de classe média, que sente o equilíbrio de sua vida oscilar ao ver um cego mascando um chiclete, “como se olha o que não nos vê”.

Esse momento desencadeia uma crise na personagem, que passa a questionar suas escolhas de vida e sua “função” de mulher. Mesmo partindo de um acontecimento tão trivial, o leitor acompanha toda a trajetória emocional percorrida pela personagem.

O conto é aberto a interpretações sobre seu significado, e acredito que estabelece um diálogo particular com cada leitor. Contudo, é impossível ler e não sentir o desconforto da personagem ao se dar conta que escolheu abrir mão do mundo, com todas suas belezas e feiuras, para se trancar em um papel pré-determinado.

A história faz parte do livro Laços de Família, coletânea com 13 contos da escritora lançado em 1960.

Marina Zanaki

Repórter do LIBERAL, a jornalista Marina Zanaki é aficionada pela literatura e discutirá, neste blog, temas relacionados ao universo literário.