18 de maio de 2022 Atualizado 16:40

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

ÔNIBUS

Trabalhadores paralisam transporte de Santa Bárbara; categoria cobra reajuste e melhorias

Categoria pede posição da Nova Via sobre campanha salarial, condições de trabalho, manutenção dos veículos e qualidade de itens da cesta básica

Por Paula Nacasaki / Bruno Moreira

11 Maio 2022, às 07h09 • Última atualização 11 Maio 2022, às 10h49

Os trabalhadores do transporte público de Santa Bárbara d’Oeste paralisaram as atividades nesta quarta-feira (11). Os 26 ônibus da Nova Via não deixaram a garagem, onde a mobilização é organizada pelo Sindicato dos Condutores de Americana e Região desde a madrugada. A empresa contesta as alegações apresentadas e a prefeitura considera o movimento abusivo.

De acordo com o presidente da entidade, Claudemir Alves da Cruz, há uma série de questões que levaram à paralisação, como a qualidade de itens da cesta básica entregue aos funcionários, a estrutura de suporte aos motoristas no terminal urbano e a necessidade de manutenção dos veículos, além de questões trabalhistas e a campanha salarial da categoria.

Com a mobilização dos trabalhadores, ônibus não deixaram a garagem na manhã desta quarta-feira – Foto: Paula Nacasaki / O Liberal

“A empresa não sentou com o sindicato para negociar o acordo coletivo da categoria, até agora nenhum representante falou com a gente, tivemos várias tentativas”, afirmou Claudemir ao LIBERAL. A categoria reivindica 12% de reajuste salarial na campanha prevista para este mês, além de 22% de aumento na cesta básica e manutenção de cláusulas sociais. “O pessoal jogou fora o feijão da cesta básica porque não tem condições”, citou o dirigente ao comentar a questão da cesta básica.

A categoria aguarda a presença de representantes da empresa para discutir a situação e não estipula prazo para o término da paralisação. Um advogado da empresa chegou à garagem por volta das 7 horas. Outro ponto questionado, aliás, é a gestão da Nova Via, que foi negociada e adquirida pelo grupo Ekos Transportes e Turismo em fevereiro.

“Até hoje a gente não sabe de fato quem é o proprietário dessa empresa aqui em Santa Bárbara d’Oeste. Queríamos até pedir ao Poder Público, ao setor responsável pelo transporte na cidade, que esclarecesse quem são os proprietários da empresa para que possam estar se responsabilizando”, disse Claudemir.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Também em fevereiro foram entregues os 26 novos ônibus utilizados no transporte público de Santa Bárbara. Na ocasião, foi comunicado o investimento de R$ 18 milhões para a aquisição dos veículos, com wi-fi, entrada USB para carregar os celulares e outros aparelhos eletrônicos, além de ar-condicionado.

“Os ônibus estão bonitos só por fora. Pintaram ônibus antigos e trouxeram para a cidade dizendo que são ônibus novos. Os pneus estão carecas, péssimas condições, colocando em risco a vida do motorista e da população”, alegou o presidente do sindicato.

Prefeitura vê movimento abusivo e empresa contesta

Em nota, a Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste informou que nem ela e nem a empresa foram comunicadas da greve. Por isso, considera o movimento abusivo já que não está respeitando a legislação na manutenção de frota mínima nas ruas. A prefeitura ressalta ainda que suas obrigações com a empresa estão rigorosamente em dia.

Sobre as condições de trabalho e da frota, reclamadas pelo sindicato, a empresa informou à prefeitura que não procedem. Além disso, a prefeitura fez recente vistoria na frota, que foi toda renovada, com ônibus zero km, equipados com ar condicionado, wi-fi, tomadas USB e demais dispositivos técnicos que oferecem conforto ao usuário.

Por fim, a prefeitura notificou a empresa para que preste esclarecimentos sobre o ocorrido e as providências adotadas para regularização do serviço de transporte coletivo.

Publicidade