Suspeito de estuprar a sogra é preso em Sumaré

Filho do acusado diz que viu o pai colocando a genitália na boca da própria vó na noite do último domingo, no Jardim Maria Antônia


Um montador de 44 anos foi preso na noite deste domingo acusado de ter estuprado a própria sogra na residência onde ambos moram, no Jardim Maria Antônia, em Sumaré. O crime foi visto pelo filho do autor e neto da vítima, que acionou a PM (Polícia Militar). A idosa é acamada, não se locomove e só se comunica por gestos.

De acordo com o boletim de ocorrência, o filho saiu da residência para comprar um lanche. Na volta, flagrou o pai colocando a genitália na boca da avó, que tem 65 anos. Ele então atingiu dois socos no montador, que fugiu do local depois de pular o muro das casas vizinhas.

A idosa sofreu cinco AVCs (Acidentes Vasculares Cerebrais), por isso vive acamada. Questionada pelos policiais se havia sido agredida pelo genro, ela balançou a cabeça de maneira afirmativa. Quando perguntaram o que ele havia feito, esfregou a mão na própria boca enquanto chorava.

Na tentativa de pegar o suspeito, os policiais iniciaram as buscas pelas ruas do bairro, mas foram o encontrar em sua casa, depois que a testemunha denunciou que o rapaz havia retornado ao imóvel. O autor ainda tentou fugir, mas foi capturado.

Ele negou a versão apresentada pelo filho e disse que estava apenas dando água para a idosa, hipótese rebatida pelos policiais, já que a vítima estava debilitada, se alimentando apenas por sonda – apesar disso, o montador mais uma vez negou ter praticado o crime contra a sogra.

O suspeito foi conduzido até o 1° DP (Distrito Policial) de Sumaré, onde o boletim de ocorrência foi registrado e a testemunha do caso ouvida novamente. A idosa, por não conseguir se comunicar nem se locomover, não teve o depoimento colhido pela autoridade policial.

O delegado responsável pelo caso entendeu que as declarações dadas pelo neto da vítima e o relato dos policiais foram suficientes para embasar a confirmação do flagrante. Segundo a SSP (Secretaria de Segurança Pública), o indiciado foi preso por violência doméstica e estupro de vulnerável.

A vítima foi orientada quanto ao prazo de seis meses que tem para oferecer uma denúncia contra o acusado para que ele responda criminalmente pelas acusações.

Ele passaria por audiência de custódia nesta segunda-feira, no Fórum de Sumaré. O resultado da audiência não foi divulgado pelo TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo).

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora