08 de agosto de 2020 Atualizado 20:21

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Sumaré 152 anos

Rodovia dos Bandeirantes é vetor para atração de novos negócios

Diretrizes vão constar na próxima versão do Plano Diretor, a fim de sugerir os atrativos das margens da rodovia para investidores; corredor da Anhanguera está consolidado

Por Leonardo Oliveira

26 jul 2020 às 08:18 • Última atualização 26 jul 2020 às 19:26

Sumaré chega aos 152 anos com seu foco voltado para a expansão econômica através da remodelação viária às margens da Rodovia dos Bandeirantes (SP-348). O plano da administração é tornar o que hoje é área rural em um corredor de negócios, para atrair grandes empresas e novos investimentos.

O projeto foi revelado pelo prefeito Luiz Dalben (Cidadania) em entrevista concedida ao LIBERAL. As diretrizes do futuro “vetor de crescimento” do município estão colocados na mais recente versão do Plano Diretor, que está em análise na prefeitura e terá que ser aprovado pelos vereadores para passar a nortear a expansão da cidade.

Bandeirantes corta trecho de área rural – Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

A avaliação do chefe do Executivo é de que a área existente às margens da Bandeirantes tem grande potencial urbanístico e pode potencializar a economia regional, através da vinda de empresas nacionais e internacionais. Hoje, outra rodovia que corta a cidade, a Anhanguera, é a que concentra empresas de grande porte.

“É inovador. Temos conversas com vários países para poder ofertar esses espaços. Já estivemos com o Cônsul [Geral] de Israel, conversando com pessoal da China, da Índia, com um industrial francês que tem intenção de se instalar no município, uma indústria de tecnologia de resíduos sólidos e produção energética da Alemanha esteve aqui visitando”, diz o prefeito.

A previsão é de crescimento para os dois lados da Bandeirantes, com a criação de uma via marginal para levar o fluxo de veículos até a região.

Une-se a isso a implantação de rotatórias e acessos para ligar a rodovia às avenidas Ivo Trevisan e Saudade. Parte dessas obras seriam feitas como contrapartida das companhias que eventualmente se instalarem no município.

“Eu não conheço outras cidades que implantaram esse corredor de negócios como a gente quer fazer. Vamos ter turismo de negócios, corredor de negócios, espaços para indústrias, centros logísticos e centro de formação acadêmico”, revela o prefeito.

Segundo Dalben, 48% do território sumareense hoje é rural, o que daria uma grande margem para expansão no futuro.

Avanço
O avanço apresentado por Sumaré no campo da infraestrutura está entre os pontos comemorados pelo deputado estadual Dirceu Dalben (PL). Prefeito duas vezes e vereador por três mandatos, ele ocupa uma cadeira na Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) pela primeira vez.

Pai do prefeito Luiz Dalben, o parlamentar destinou R$ 11,3 milhões ao município por meio de emendas. Entre os investimentos viabilizados com a colaboração do parlamentar, está a duplicação da Rodovia Adauto Campo Dall’Orto, obra em fase de licitação no Governo do Estado. A via dá acesso para moradores de Sumaré, além de Hortolândia e Paulínia, à Rodovia Anhanguera (SP-330).

Entre as rodovias de pista simples de todo o Estado de São Paulo, observa o deputado, a Adauto Campo Dall’Orto é a que possui o maior volume diário médio de veículos, por onde circulam quase 30 mil veículos por dia.

Dirceu Dalben ainda aponta ações de infraestrutura nos bairros, como o Jardim Vitória e o Jardim Irmã Davina.

“O asfalto está chegando a esses locais, rede de esgoto, sistema de drenagem, enfim, toda infraestrutura necessária para que os moradores vivam com mais dignidade e qualidade de vida”, observa.

Ele também vive a expectativa pela construção de três novos viadutos pela Rumo Logística, que vão transpor a linha férrea existente no município e melhorar a mobilidade urbana.

Plano Diretor
Para sair do papel, é necessário primeiro a aprovação do Plano Diretor – é através dele que os problemas da cidade são identificados e as diretrizes básicas de desenvolvimento são apontadas. O plano é obrigatório para municípios com mais de 20 mil habitantes. Ele está sendo discutido desde o ano passado, por meio de audiências públicas.

Segundo o prefeito Luiz Dalben, o documento está em análise na administração. Se aprovado, deve ser novamente apresentado à população antes de ser votado na câmara.

Podcast Além da Capa
O contexto da DRS (Diretoria Regional de Saúde) de Campinas definiu o avanço de todos os seus municípios à fase laranja do Plano São Paulo, conforme anúncio do Estado feito nesta sexta-feira (24). Entretanto, quais são as particularidades que dão o contexto de Americana, em meio à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), neste momento? Nesse episódio, o editor Bruno Moreira conversa com os repórteres George Aravanis e Rodrigo Alonso sobre tal cenário.