05 de junho de 2020 Atualizado 22:27

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Sumaré

Polícia Civil investiga feminicídio de adolescente em Sumaré

Crime aconteceu na casa da vítima de 16 anos, no Jardim Paraíso II, e companheiro confessou o crime

Por Leonardo Oliveira

07 abr 2020 às 08:23 • Última atualização 07 abr 2020 às 17:12

O feminicídio de uma adolescente de 16 anos, ocorrido na noite da última sexta-feira, em Sumaré, é investigado pela Polícia Civil da cidade. A vítima foi encontrada morta em sua casa, no Jardim Paraíso II, e o principal suspeito é o seu companheiro, o eletricista Gabriel Evandro dos Reis, de 21 anos.

Clique aqui e se inscreva no nosso canal do Telegram e receba as notícias no seu celular!

Ele foi detido por policiais militares e confessou o crime ao delegado responsável pelo caso. O casal vivia junto havia três anos. O crime teria tido motivação passional, segundo o companheiro. O eletricista diz que usou um punhal para acertar o pescoço da adolescente por seis vezes depois de uma discussão que tiveram.

A versão do eletricista consta em um boletim de ocorrência registrado no plantão policial de Sumaré. No documento, o jovem ainda relata que ele e a companheira estavam deitados em cômodos separados e começaram a discutir, quando chegaram a “vias de fato”.

A situação foi descoberta pelo pai de Gabriel. Depois do crime, seu filho o ligou dizendo que iria sair para comprar cerveja. Desconfiado, o homem foi até a casa e usou uma chave reserva que possuía para abrir a porta- no quarto, encontrou a nora desmaiada ao chão.

O Samu (Serviço de Atendimento Móvel e Urgência) foi acionado e constatou o óbito da adolescente. O eletricista foi encontrado pela PM (Polícia Militar) na casa do tio e foi levado até o plantão policial. Lá, o delegado enxergou indícios suficientes para caracterizar o feminicídio em flagrante.

Com isso, o suspeito acabou preso. “O autor foi localizado logo após o crime e detido. As investigações seguem por meio inquérito policial na Delegacia de Sumaré para esclarecer a motivação”, disse a SSP (Secretaria de Segurança Pública de São Paulo).