26 de outubro de 2020 Atualizado 22:08

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Sumaré

Paralisação no HES é suspensa e funcionários estão em estado de greve

Caso não haja avanço nas negociações com o hospital, os profissionais devem paralisar as atividades no dia 21

Por Marina Zanaki

07 out 2020 às 17:22 • Última atualização 07 out 2020 às 17:33

A paralisação de funcionários do HES (Hospital Estadual Sumaré), prevista para começar nesta quarta-feira (7), foi suspensa por opção dos trabalhadores.

Diretor do Sinsaúde, sindicato que representa os funcionários, e técnico em enfermagem no HES, Fred Souza explicou que a Funcamp (Fundação Desenvolvimento da Unicamp) disse estar “disposta a negociar”.

A Fundação, que é responsável por gerir os recursos, se comprometeu a cobrar uma posição do governo do Estado, ainda segundo o diretor. Até então, a posição era de reajuste zero aos profissionais.

Além disso, foram mantidas cláusulas do último Acordo Coletivo de Trabalho, firmado em 2019 e que venceu em agosto. Com isso, estão assegurados direitos como folgas, vale-alimentação e o salário em dia.

“Houve assembleia nos últimos dois dias para organizarmos o ato e hoje os trabalhadores optaram por continuar em estado de greve. Já enviamos ofício com as reivindicações e a notificação à empresa”, disse Fred.

A categoria segue em estado de greve até o dia 20 de outubro. Trata-se de um alerta para uma possível paralisação dos serviços, seja ela parcial ou total, e foi decidido após a realização de diversas assembleias e rodadas de negociações desde o início de agosto.

Segundo o Sinsaúde, caso não haja avanço nas negociações, os profissionais devem paralisar as atividades no dia 21.

Trabalhadores desistiram de paralisação, mas seguem em estado de greve – Foto: Rafael Camargo/Sinsaúde

Uma audiência de mediação com o Ministério Público do Trabalho está agendada para o dia 13 de outubro, às 15h30.

Os trabalhadores reivindicam reajuste de 5% nos salários, aumento de 13% no vale-refeição (dos atuais R$ 370 para R$ 420), pagamento do teto de 40% de insalubridade (hoje é pago 20%) e mudança de cargo para funcionários contratados como auxiliares, mas que atuam como técnicos.

A categoria também busca o pagamento de quatro parcelas de R$ 500 como abono emergencial em função da pandemia.

Em setembro, o diretor-superintendente do HES, o pneumologista Maurício Wesley Perroud Júnior, disse ao LIBERAL que a pandemia provocou uma crise econômica, além de elevar os preços de insumos básicos. Com isso, não estava previsto nenhum reajuste salarial.

Publicidade