Moradores barram demolição de casas em ocupação

Três construções nas Chácaras Três Pontes, em Sumaré, são alvo de denúncias de irregularidades por parte da prefeitura


Foto: João Carlos Nascimento - O Libera.JPG
Cerca de 400 famílias residem atualmente na ocupação em Sumaré

Uma demolição de três novas construções na ocupação Chácaras Três Pontes, em Sumaré, causou a mobilização de moradores do local – que se reuniram para impedir a ação promovida pela secretaria de Habitação na manhã desta sexta-feira. A prefeitura confirmou que o processo será retomado, mas não deu prazo. Moradores responsáveis pelas obras afirmaram que não sabiam da irregularidade e se mostraram reticentes em um acordo com a administração.

Cerca de 400 famílias residem hoje na ocupação, segundo gerente de Habitação, Douglas Aparecido de Oliveira. Ele afirmou que prefeitura não permite que novas construções sejam feitas após a última atualização do cadastro de moradores, realizado em 2017. Oliveira contou que as obras foram descobertas após a visita de agentes da secretaria para mapear os estragos feitos pelas fortes chuvas registradas em Sumaré na última semana.

A reportagem do LIBERAL esteve na tarde desta sexta no Três Pontes para acompanhar os desdobramentos da operação e apurou que três construções e um barraco de madeira são alvo de denúncia de irregularidade por parte da prefeitura. No barraco, mora uma família de haitianos – que aceitou um acordo oferecido pela secretaria que envolve o pagamento de um auxílio aluguel que viabilizará a moradia deles em outro local. A mesma oferta foi apresentava aos responsáveis pelas outras casas.

Uma reunião com eles estava marcada para a manhã desta sexta, mas não compareceram à sede da secretaria de Habitação. Uma equipe da prefeitura chegou a se dirigir com máquinas para realizar a demolição, mas foi surpreendida pela união dos moradores.

Isaías da Silva, de 31 anos, está desempregado há seis meses e é responsável por uma das construções. Ele mora em um barraco de madeira dentro da ocupação, e esperava a mudança para a casa para dar um pouco mais de luxo à sua filha e esposa. Já Benedito Vieira da Costa, de 36 anos, está morando com o irmão em outra área de Sumaré e tinha o sonho de viver em uma casa própria. “Se eu soubesse que não podia, eu não tinha construído”.

Ao LIBERAL, o vereador Willian Souza (PT), presidente da Câmara de Sumaré, ressaltou que esteve na ocupação para ouvir as indagações dos moradores e que foi montada uma comissão que irá se reunir no gabinete do prefeito Luiz Dalben (PPS) na próxima semana para discutir soluções para a região.

A assessoria de imprensa da prefeitura informou que a “a demolição será apenas para as novas casas, nenhuma habitada até o momento. Nenhum morador será desabrigado ou retirado de sua residência. Porém, devido ao apelo dos munícipes, a ação foi adiada e reuniões de orientação serão realizadas”.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora