13 de agosto de 2022 Atualizado 22:03

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Saúde

Hospital Estadual Sumaré será referência contra varíola dos macacos

Anúncio foi realizado pelo Governo do Estado de São Paulo nesta quinta; HC da Unicamp e Hospital Regional de Piracicaba também fazem parte das ações

Por Maria Eduarda Gazzetta

04 de agosto de 2022, às 19h24 • Última atualização em 08 de agosto de 2022, às 13h07

O HES (Hospital Estadual Sumaré), da Unicamp, será referência na região para o tratamento de casos graves de pessoas contaminadas com a varíola dos macacos. O anúncio foi realizado pelo Governo de São Paulo, nesta quinta-feira (4).

O plano de enfrentamento ao vírus terá a coordenação integrada das secretarias estaduais da Saúde e também de Ciência, Pesquisa e Desenvolvimento em Saúde.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

De acordo com o Estado, a ação inclui 93 hospitais estaduais e maternidades que serão referência em casos mais graves, com necessidade de internação de pacientes e leitos de isolamento ou UTIs (Unidades de Terapia Intensiva). Entre as unidades hospitalares estão, além do HES, o Hospital das Clínicas da Unicamp, em Campinas, o Hospital Regional de Jundiaí e o Hospital Regional de Piracicaba.

O plano de enfrentamento também inclui protocolos de diagnóstico e assistência, rede credenciada de laboratórios para testagem e vigilância genômica, serviço de orientação 24h para profissionais de saúde, intensificação de ações de capacitação e criação do Centro de Controle e Integração formado por 24 especialistas.

Séries, filmes, games, quadrinhos: conheça o Estúdio 52.

CASOS.
Até esta quinta-feira, a RPT havia confirmado dois casos do vírus. O primeiro foi em Santa Bárbara d’Oeste, no dia 15 de julho, de um homem de 30 anos. Ele foi acompanhado pela Vigilância Epidemiológica do município e não apresentava histórico de viagem ao exterior.

O segundo caso foi confirmado no último dia 27, em Americana, de um homem de 27 anos. Ele também estava sendo monitorado pela vigilância e pelo SAE (Serviço de Assistência Especializada em Infectologia), também sem histórico de viagem ao exterior e contato com viajantes.

Entenda o que é a varíola dos macacos

A varíola dos macacos é uma zoonose, ou seja, uma doença transmitida por animais, especialmente roedores. Ela deve seu nome após macacos de um laboratório dinamarquês apresentarem lesões parecidas às da varíola humana, em 1958.

O primeiro caso em uma pessoa foi registrado em 1970, na República Democrática do Congo, onde atualmente é endêmica. Na África, ela também é comum em países como Camarões, Nigéria e República Centro-Africana, entre outros.

A doença é causada por um vírus similar ao da varíola humana, que provocou grandes epidemias no passado, mas que foi erradicado com a vacinação. O principal meio de transmissão é através do contato direto com as lesões na pele, mas ela também é transmitida por gotículas e pelo contato com roupas de cama, por exemplo.

O problema é que ela tem uma incubação muito longa, de até 21 dias, o que torna difícil isolar o paciente. E pode durar esse mesmo tempo para a cicatrização completa das feridas, quando a pessoa deixa de ser contagiosa.

Os sintomas iniciais são pouco específicos, como febre e vermelhidão na pele. As lesões bolhosas surgem depois, primeiro no rosto e depois se espalham pelo corpo, formando uma crosta que depois cai. A doença pode ser autolimitada, ou seja, se resolver sozinha, mas também pode apresentar complicações como infecções secundárias.

Publicidade