28 de junho de 2022 Atualizado 21:06

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Saúde

Cinco leitos pediátricos são abertos no Hospital Estadual Sumaré

Mais dez leitos começam a funcionar nos próximos dias, sendo cinco de UTI e cinco semi-intensivos

Por Caio Possati

07 de junho de 2022, às 20h45 • Última atualização em 07 de junho de 2022, às 20h48

Cinco dos 15 leitos pediátricos prometidos pelo Governo do Estado de São Paulo para o HES (Hospital Estadual Sumaré) já estão em funcionamento, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde e a assessoria da própria unidade hospitalar. Os leitos foram abertos no setor de enfermaria e estão disponíveis para receber pacientes desde a semana passada.

Mais dez leitos pediátricos deverão ser abertos no HES nos próximos dias, sendo cinco para terapia semi-intensiva (que funciona no pronto-socorro) e outros cinco para terapia intensiva.

Ao LIBERAL, a assessoria do hospital afirmou que os leitos semi-intensivos deverão começar a operar na sexta-feira, enquanto os de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) serão abertos progressivamente até o dia 15.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

O início da operação dos leitos no HES estava previsto para 1º de junho, mas a falta de contratações de profissionais e compra de equipamentos fez a abertura das unidades ser adiada.

Além de Sumaré, foi determinado que o HC (Hospital das Clínicas) da Unicamp também recebesse leitos pediátricos, sendo dez para tratamentos semi-intensivos e seis de UTI. De acordo com a secretaria de saúde, todos os leitos já estão funcionando no local.

“O DRS (Departamento Regional da Saúde) de Campinas informa que os 16 leitos [do HC da Unicamp] estão em funcionamento. Já dos 15 leitos do Hospital Estadual de Sumaré, hoje, cinco leitos de enfermaria estão disponíveis para acolhimento dos pacientes. Os demais devem ser abertos em breve”, informou a pasta por meio de nota.

Ainda segundo a pasta, os leitos pediátricos abertos vão funcionar até setembro, quando se encerra o período crítico de doenças respiratórias. A iniciativa deverá custar cerca de R$ 2 milhões aos cofres estaduais.

Publicidade