Suspeito de S.Bárbara é preso com quadrilha que atacou banco em Uberaba

Jefferson Aparecido Silva Neves e outras nove pessoas foram detidas depois de explodir cofre do Banco do Brasil da cidade mineira


Um morador de Santa Bárbara d’Oeste está entre os dez suspeitos de integrarem a quadrilha que atacou a agência do Banco do Brasil na área central de Uberaba (MG) na madrugada desta quinta-feira.

Os criminosos, todos residentes na região de Campinas, conseguiram explodir o cofre do banco e fizeram sete reféns. A ocorrência durou quase sete horas.

Foto: L.Adolfo / Estadão Conteúdo
Suspeitos presos na zona rural de Uberaba estavam com metralhadoras e equipamentos táticos usados em assalto

Natural de Umuarama (PR), o vendedor autônomo Jefferson Aparecido Silva Neves, 34, é morador do Jardim Europa 4, em Santa Bárbara. Ele foi preso junto com outras nove pessoas: sete moradores de Campinas, um de Indaiatuba e outro de Jundiaí. A polícia investiga a participação de outros envolvidos na ação.

Os suspeitos utilizaram caminhões para realizar bloqueios nas proximidades do banco, na Avenida Leopoldino de Oliveira, de acordo com a 5ª região da Polícia Militar de Minas Gerais, que atende o município de Uberaba. O crime aconteceu por volta das 3h45.

Os suspeitos estavam “fortemente armados” e conseguiram explodir o cofre do banco. Até o fechamento desta edição não havia informações do montante levado. Na fuga, uma mulher foi atingida por disparos ao recusar entregar seu veículo – seu estado de saúde “requer cuidado”, diz a corporação.

Vídeos que circularam nas redes sociais mostram um homem amarrado no capô de um dos veículos utilizados pelos criminosos. A suspeita é de que ele tenha sido usado como “escudo humano” durante a fuga.

Depois de ser acionada, a PM encontrou o grupo dentro do caminhão, as 7 horas, e com sete reféns, entre eles duas crianças, um adolescente, duas mulheres e quatro homens, em uma estrada vicinal próxima à BR-262. Após troca de tiros e mais de cinco horas de negociação, os criminosos liberaram os reféns e se entregaram.

Foram apreendidos no local 12 fuzis de diferentes calibres e duas pistolas, uma 9 milímetros e outra pistola .40, além de coletes à prova de bala. Até o fechamento desta edição o caso ainda estava sendo apresentado.

Após o ataque, uma série de atividades foram suspensas em Uberaba no período da manhã. Cerca de 40 mil alunos das áreas rural e urbana ficaram sem aula e os Jogos Escolares de Minas Gerais suspensos, sendo retomados a partir do meio dia.

Já no transporte, a circulação dos ônibus foi paralisada e só voltou às 10h. Quatro estações foram interditadas.

Absolvido

Jefferson Aparecido Silva Neves chegou a ser acusado de participar de uma tentativa de furto a agência do Banco do Brasil na cidade de Macatuba (SP) em 2014, mas foi absolvido em 1ª instância por falta de provas. O processo acabou extinto.

Em depoimento, o homem afirmou que teve uma filha em 2011 com a mulher que foi presa preventivamente pelo crime. Ela foi abordada pela polícia naquele dia por estar em um veículo com placa de Sumaré, o que gerou suspeita, e teria confessado a tentativa de furto.

O vendedor negou participação e disse que os policiais “alegaram sua participação” ao verem seu nome em um documento da criança que estava com a mulher. A ex-companheira foi ouvida como testemunha de defesa e disse que Neves não teve participação nos fatos.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora