28 de setembro de 2020 Atualizado 13:14

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Covid-19

Sete idosos morrem pela Covid-19 e total de óbitos chega a 88 em Santa Bárbara

Vítimas tinham entre 66 e 79 anos; cidade tem 2.896 casos confirmados

Por Leonardo Oliveira

11 ago 2020 às 20:18 • Última atualização 11 ago 2020 às 20:55

Sete idosos foram contabilizados nesta terça-feira (11) como vítimas do novo coronavírus em Santa Bárbara d’Oeste. Eles tinham entre 66 e 79 anos. O número de óbitos na cidade chega a 88 com a atualização mais recente, que trouxe ainda 12 novos casos registrados.

Mapa com os casos divididos por regiões da cidade – Foto: Reprodução/Facebook

Seis dos falecimentos ocorreram em datas anteriores, mas foram incluídos no boletim epidemiológico desta terça. Santa Bárbara tem agora 2.896 casos confirmados da doença – destes, 2.433 se curaram e 88 não resistiram.

Confira o perfil das vítimas divulgadas nesta terça:

  • Mulher de 76 anos, moradora da região central, que faleceu no dia 11 de julho
  • Homem, 66 anos, morador da região da Cidade Nova, que faleceu no dia 28 de julho
  • Mulher, 67 anos, moradora da região do Jardim Alfa, que veio a óbito também no dia 28 de julho
  • Mulher, 69 anos, moradora da região da Cidade Nova, falecida em 30 de julho
  • Mulher, 76 anos, moradora da região do São Fernando, que morreu no último dia 3
  • Mulher, 79 anos, moradora da região do Esmeralda, falecida nesta segunda-feira
  • Mulher, 76 anos, moradora da região do Conjunto Romano, que veio a óbito nesta terça

Balanço
A cidade possui 2.908 casos confirmados da doença, 88 óbitos, 2.433 pacientes curados, 1.044 casos suspeitos (entre eles quatro mortes) e 8.845 casos descartados (incluindo 11 mortes).

Podcast Além da Capa
Depois de três semanas novamente na fase vermelha, Americana e região completaram um ciclo de duas semanas na fase laranja e, na última sexta-feira, avançaram à fase amarela do Plano São Paulo pela primeira vez. Esse episódio dá o tom do contexto local diante da etapa mais flexível vivida até agora desde o início da quarentena provocada pela pandemia do novo coronarívus (Covid-19).

Publicidade