Sem vaga em creche, vendedora leva filha ao trabalho

Sem conseguir uma vaga em creche na rede municipal em Santa Bárbara e com medo de ser demitida, mulher de 29 anos não viu outra alternativa


Sem conseguir uma vaga em creche na rede municipal de ensino de Santa Bárbara d’Oeste, a vendedora Luana dos Santos de Paula, de 29 anos, precisa levar a filha Sofia para o trabalho de segunda a sábado. A criança completa cinco meses de idade nesta quinta-feira e está nesta rotina há um mês, já que a mãe não tem com quem deixá-la durante o expediente.

Luana trabalha em uma loja de roupas infantis, que funciona no novo Terminal Urbano, no Centro da cidade. Ela procurou a Secretaria Municipal de Educação em maio, mas a informação passada é de que não haveria vagas disponíveis nem previsão para abertura.

Foto: Marcelo Rocha / O Liberal
A vendedora Luana, de 29 anos, com a filha Sofia, de 5 meses, na loja em que trabalha; rotina dividida já dura um mês, segundo ela

O déficit de vagas em creche na rede municipal é alvo de um inquérito civil do MP (Ministério Público). Em janeiro, o promotor da Infância e Juventude, Luiz Fernando Garcia, disse ao LIBERAL que o déficit era de 800 vagas em outubro de 2018. A prefeitura garantiu ao promotor que ia solucionar a situação ainda em 2019.

Com a resposta negativa, a vendedora contou que procurou o Conselho Tutelar. Até o momento, no entanto, não houve nenhum avanço.

“Toda semana eu ligo lá para ver como está o procedimento. Ela [conselheira] disse que acha que a Secretaria de Educação não mandou nenhuma resposta. Estou esperando”, lamentou a vendedora. “Hoje [quarta-feira] mesmo liguei no Conselho Tutelar para saber e nada”.

Além das dificuldades, Luana teme ficar desempregada se não conseguir uma vaga para a filha. Ela mora com a criança e outros dois filhos: um menino de cinco anos e uma menina de três, que estão matriculados na escola.

“Às vezes eu estou atendendo, a criança está chorando. Não fica bom. E eu preciso trabalhar”, afirmou Luana.

O promotor Luiz Fernando Garcia disse ao LIBERAL no começo do ano que esperava ter em fevereiro um “mapa” atualizado sobre a situação do déficit no município. A reportagem entrou em contato com o MP ontem, mas foi informado de que Garcia está de férias e retorna no dia 1º de agosto.

O promotor que responde temporariamente, Amelio Pasini Junior, preferiu não passar detalhes sobre o andamento do inquérito.

Silêncio

A Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste foi procurada para comentar o caso, mas não houve resposta até o fechamento desta edição. Já no Conselho Tutelar, foi informado que a conselheira estava em atendimento. Não houve retorno ao contato deixado com a secretária.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora