21 de outubro de 2020 Atualizado 10:28

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Educação

SB mantém rede municipal com ensino remoto; privadas e estaduais podem retornar

Com a autorização da Prefeitura, escolas estaduais agora devem realizar pesquisas junto aos pais para definir retorno

Por Marina Zanaki

28 set 2020 às 18:00 • Última atualização 29 set 2020 às 11:00

A Secretaria de Educação de Santa Bárbara d’Oeste vai manter a rede municipal com ensino remoto, sem adesão ao retorno presencial em outubro, permitido pelo Plano São Paulo. As redes privada e estadual terão autonomia para definir pelo retorno a partir de 7 de outubro.

Em nota, a prefeitura explicou que as aulas na rede municipal seguem feitas de forma remota, por meio de videoaulas e atividades de apoio.

“O conteúdo pedagógico é disponibilizado para o aprendizado em casa, juntamente com vídeos gravados por professores para as atividades complementares. Todos os conteúdos seguem organizados para cada nível escolar, desde o berçário até o 5º ano do ensino fundamental, incluindo a Educação Especial e o EJA (Educação de Jovens e Adultos)”, explicou a prefeitura.

As escolas da rede privada e estadual estão liberadas para optarem por seguir o Plano São Paulo, que autoriza aulas do ensino médio e EJA (Educação de Jovens e Adultos) a partir do dia 7 de outubro e aulas do ensino fundamental em 3 de novembro.

A Secretaria do Estado da Educação explicou que, nos casos em que a prefeitura permitir o retorno da rede estadual, cada escola terá autonomia para definir ou não pelo retorno. A pasta explicou que cada unidade deve realizar pesquisas junto à comunidade de pais e estudantes para levantar o interesse no retorno presencial.

Santa Bárbara é a terceira cidade da RPT (Região do Polo Têxtil) a definir pelo não retorno das aulas presenciais em outubro. Sumaré e Nova Odessa também seguirão com atividades remotas, mas liberaram a rede privada.

RISCOS
A Secretaria de Educação de Santa Bárbara conta com 141 servidores que fazem parte do grupo de risco para a Covid-19. Isso equivale a 6% dos 2.257 funcionários. Tratam-se de servidores com mais de 60 anos ou que possuem alguma comorbidade.

Publicidade