16 de agosto de 2022 Atualizado 22:16

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Santa Bárbara

Rachaduras aumentam na Vila Dainese e moradores cobram prefeitura

Na semana passada, a prefeitura disse que uma casa poderia ser interditada por conta de vazamento interno

Por Caio Possati

17 de maio de 2022, às 08h05

Rachaduras e tampa de bueiro afundada na ruas Sao Marcos X Sao Bento na Vila Dainese SBO (4).JPG

Os moradores e comerciantes da Vila Dainese, em Santa Bárbara d’Oeste, relataram nesta segunda-feira que as rachaduras que surgiram em seus imóveis, e noticiada na última quinta pelo LIBERAL, continuam crescendo.

À reportagem, que esteve no local para conversar com quem mora no bairro, as pessoas afirmam que o engenheiro da prefeitura não voltou para analisar a situação na sexta-feira (13), como prometido, e que nenhum representante da administração pública esteve no bairro para interditar a casa que, segundo a Defesa Civil barbarense, corre risco de desabar.

Segundo o motorista Robert de Almeida, 28, que mora com a esposa e com a filha em uma casa na Rua São Marcos, novas rachaduras foram surgindo nos últimos dias. “A porta já não está nem fechando mais”, disse o morador, mostrando como as fissuras danificaram a madeira dos batentes de alguns cômodos. 

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Eles alegam ainda que algumas paredes, como a da sala e a do quintal, já chegaram a se inclinar. A família está planejando mudar de casa nos próximos dias.

Eles moram nos fundos da casa de Angélica Belotti que, desempregada e mãe de 10 filhos, não sabe para onde ir caso sua casa venha a ser interditada. “Uma assistente social disse que poderiam oferecer pra gente ficar em um galpão. Mas eu tenho 10 filhos. Com quem eu vou deixá-los, se eu precisar sair para procurar emprego?”, questionou.

Ela conta que na visita feita pela Defesa Civil na quinta-feira passada, recomendaram trocar de cômodo quando for dormir. Angélica também mostrou que algumas portas já não se fecham mais por conta das rachaduras próximas aos batentes, e que as paredes da cozinha e do banheiro estão com o aspecto de estufada. “Os azulejos já estão até caindo”, mostra.

Sobre a situação, os moradores do bairro dizem esperar uma solução prática e uma posição mais definitiva por parte da Prefeitura. O Executivo que foi questionado pelo LIBERAL, mas não deu retorno até o fechamento da edição. Na semana passada, a administração disse que uma das casas do bairro, que abriga três famílias — duas sendo a da Angélica e do Robert —, poderia ser interditada por conta de um vazamento interno.

O problema de surgimento de rachaduras, porém, não se concentra em apenas uma casa.  Ao menos outras quatro pessoas, com imóveis na Rua São Marcos e São Bento, também relataram o mesmo problema e demonstram estar preocupadas e com receio das fendas também se apliarem.

Publicidade