20 de abril de 2021 Atualizado 23:51

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Santa Bárbara

Prefeitura de Santa Bárbara confirma adesão a consórcio para compra de vacinas

Na região, as cidades de Americana, Hortolândia e Nova Odessa já haviam confirmado presença no consórcio

Por Leonardo Oliveira

05 mar 2021 às 15:29 • Última atualização 05 mar 2021 às 18:42

O consórcio formado por prefeituras para a compra de vacinas contra o novo coronavírus (Covid-19) ganhou a adesão, nesta sexta-feira (5), da Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste.

A adesão foi confirmada ao LIBERAL pela assessoria de imprensa da Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste. O movimento é organizado pela FNP (Frente Nacional dos Prefeitos) e tem como objetivo ajudar as cidades caso o Governo Federal, com seu PNI (Plano Nacional de Imunização), não consiga suprir a demanda.

O prazo para inscrição, sem custo, termina nesta sexta. Americana, Hortolândia, Nova Odessa e Sumaré já haviam confirmado presença no consórcio em dias anteriores. A ideia é comprar vacinas, medicamentos, insumos e equipamentos.

Segundo o ex-prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB), que é presidente da FNP, a proposta não é comprar imediatamente, mas garantir uma segurança jurídica para poder agir caso o Governo Federal não consiga atender toda a população.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

Em entrevista concedida durante sua participação semanal na Rádio Santa Bárbara FM 95.9, que é da prefeitura, o prefeito de Santa Bárbara Rafael Piovezan (PV), afirmou que colocou o município à disposição por entender que tem que aproveitar todas as oportunidades que possam ajudar no enfrentamento à doença, mas ponderou sobre as possibilidades do consórcio.

“Eu vou ser muito sincero. Eu entendo, que, o governo do estado garantindo a vacinação como ele vem fazendo, eu realmente não sei como é que e um consórcio vai atravessar uma situação como essa, mas é óbvio que a gente vai, na medida do possível, buscando alternativas”.

“Eu tenho a preocupação daquilo que nós conseguimos resolver e daquilo que está realmente em andamento, que é falar com o governo do estado, buscar cada vez mais a disponibilização das vacinas pra que a gente tenha mais públicos vacinados aqui no nosso município, isso é o que tá de concreto hoje”, completou Piovezan.

Os recursos para compra de vacinas poderão ser disponibilizados de três formas: por meio dos municípios consorciados, de aporte de recursos federais e de eventuais doações nacionais e internacionais.

A adesão do município ao consórcio era cobrada pelos vereadores da cidade e chegou a ser tema na sessão da câmara da última terça-feira. O vereador Celso Ávila (PV) chegou a protocolar um documento sobre o tema no início da semana.

Publicidade