Polícia pede prisão preventiva da esposa do assassino de Lucas Paulino

Polícia observa “grandes indícios” da participação da mulher na morte do feirante Lucas da Silva Paulino, com quem se relacionava


O delegado de Santa Bárbara d’Oeste, Reynaldo Peres, pediu a prisão preventiva da esposa do motorista de aplicativo Gilberto Carlos Falcão Filho, que confessou o homicídio do feirante Lucas da Silva Paulino, executado a tiros em uma farmácia do São Francisco, no dia 6 de maio. A suspeita é de que a mulher de 31 anos tenha envolvimento no crime.

O casal está foragido e deixou os dois filhos, de três e seis anos, com os avós maternos, segundo Peres. O delegado também pediu na semana passada a prisão preventiva de Gilberto, que já havia tido a prisão temporária expedida.

Foto: Reprodução/Redes sociais
Lucas foi executado a tiros em uma farmácia do São Francisco

Conforme noticiado pelo LIBERAL em 11 de maio, a vítima tinha encontros afetivos com a esposa de Gilberto há cerca de 15 dias antes do crime. Porém, desde fevereiro os dois já se relacionavam, pois a mulher atuava nas “horas vagas” como “garota de programa”, segundo depoimento dela para a Polícia Civil.

A reportagem teve acesso às declarações dos envolvidos antes do processo entrar em segredo de Justiça. Os encontros eram pagos por Lucas, segundo a mulher, que disse que já não dormia mais no mesmo cômodo que Gilberto e que ambos tinham concordado em se separar. O esposo sabia dos programas.

A mulher afirmou que os homens acabaram discutindo por áudio no WhatsApp após ela trocar mensagens de texto com Lucas em uma festa da família de Gilberto. Há ainda no depoimento dela afirmações de que Lucas teria colocado pessoas para seguir Gilberto.

Na noite do crime, antes das 22h30, Gilberto ligou para a esposa para perguntar se Lucas tinha dito algo para ela. A mulher afirmou para a polícia que não disse ao esposo onde Lucas estava, já que sabia apenas que ele tinha ido em algum cinema com sua esposa.

Agora, as declarações da mulher estão em cheque pelo fato dela ter se evadido, supostamente na companhia do esposo. “Foi um depoimento muito cheio de detalhes que ela fez questão de colocar na declaração. Não interessava para nós. Isso levar crer que a participação dela é muito maior”, afirmou Peres.

“Inclusive largaram os filhos com os avós. Ou seja, eles fugiram né, porque mãe e pai não largam os filhos e somem, principalmente porque ela disse que tinha medo dele. Como é que vai fugir com ele? É tudo indício. Estamos verificando”, explicou o delegado.

O feirante de 28 anos estava na frente do caixa quando Gilberto entrou e disparou, às 22h37. Lucas foi socorrido, mas não resistiu. Uma das teorias da polícia é de que a mulher poderia estar na direção do veículo utilizado no crime.

“Existem grandes indícios que ela tenha participado com ele [Gilberto]. Ou dirigindo o veículo levando ele para o local, ou dando informação dos passos da vítima porque três, quatro minutos antes dele morrer ela estava conversando com ele [Lucas] por mensagens de celular”, afirmou Peres.

A advogada de Gilberto, Sandra Fernandes Manzano, disse que a mulher não entrou em contato e que desconhece a informação de que o casal teria fugido junto.

“A gente está aguardando realmente essa prisão preventiva para eu falar com o meu cliente e para ele se manifestar sobre o que vai fazer”, comentou Sandra sobre o caso.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora