27 de setembro de 2021 Atualizado 14:19

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Santa Bárbara

Novo loteamento em Santa Bárbara prevê melhorias na Estrada de Cillo

Empreendimento será um condomínio fechado com 482 moradias, construída em uma área de 188 mil metros quadrados

Por Pedro Heiderich

25 jul 2021 às 08:35 • Última atualização 25 jul 2021 às 08:36

Loteamento fica na região do bairro Santa Rita de Cássia, em Santa Bárbara d’Oeste - Foto: Ernesto Rodrigues / O Liberal

Um novo loteamento na região do bairro Santa Rita de Cássia, em Santa Bárbara d’Oeste, prevê o alargamento da Estrada Ernesto de Cillo, ponto de diversos acidentes recentes no município.

O empreendimento será um condomínio fechado com 482 moradias, construída em uma área de 188 mil metros quadrados entre a empresa Dresser-Rand e a antiga Usina de Cillo. O prazo para construção é de um ano e oito meses, podendo ser prorrogado.

O alargamento da estrada prevê também pavimentação asfáltica do trecho. A via tem sido alvo de reclamações após acidentes fatais. Ao menos três pessoas morreram no local neste ano. A prefeitura afirma desde abril que busca realizar melhorias na estrada.

No dia 16, o prefeito Rafael Piovezan (PV) publicou um decreto que aprova o Plano de Urbanização para a implantação do loteamento. O projeto compreende o desmembramento do imóvel em áreas distintas destinadas à implantação do condomínio, de equipamentos públicos e ao alargamento da Ernesto de Cillo.

Do total do terreno do empreendimento, de propriedade da incorporadora Terramérica SB, serão 14 mil metros quadrados para as áreas públicas, quase cinco mil metros quadrados para o sistema viário que permitirá o alargamento da Cillos e mais de nove mil metros quadrados para áreas institucionais, para equipamentos públicos, como praças ou sistemas de abastecimento. A prefeitura foi questionada a respeito, mas não respondeu.

A obra será executada e custada pela THCM, que tem condomínios na região. Será necessária, além das sinalizações e construções das ruas do condomínio, a criação de uma rede de distribuição de água potável e rede de coleta de esgoto sanitário.

Segundo o decreto, a THCM terá 20 meses para executar todas as obras. O tempo pode ser prorrogado, mas não pode ultrapassar quatro anos. Ao LIBERAL, a empresa informou que o empreendimento está em fase de desenvolvimento e que mais informações serão divulgadas mais perto do lançamento do empreendimento.

Publicidade