26 de Maio de 2020 Atualizado 20:19

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Covid-19

Nos preparamos para o pior cenário possível em Santa Bárbara, diz Denis

Prefeito de Santa Bárbara d’Oeste acredita que município pode equilibrar a reabertura econômica com medidas de prevenção ao vírus

Por André Rossi

03 Maio 2020 às 09:12

O prefeito de Santa Bárbara d’Oeste, Denis Andia (PV), afirma que a cidade foi prepara para enfrentar o “pior cenário possível” que pode ser provocado pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Em entrevista ao LIBERAL, o chefe do Executivo elencou as ações realizadas e disse acreditar que o município tem condições de equilibrar a reabertura econômica com as medidas de prevenção ao vírus.

Prefeito de Santa Bárbara crê em reabertura para breve – Foto: João Carlos Nascimento / O Liberal

No município, que tinha 12 casos e uma morte confirmada da doença até este sábado, o sistema de saúde foi reorganizado para atender pacientes com Covid-19.

Um hospital de campanha com 50 leitos de média complexidade foi montado no campus da Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), mas tem capacidade para ser ampliado para 100 unidades.

Uma ala específica do Hospital Santa Bárbara também foi preparada com outros 18 leitos. Já os prontos-socorros Edison Mano e Afonso Ramos contam com novos anexos para atendimento de apoio a pacientes com sintomas de gripe.

Guarda Municipal distribui máscaras em bairros da periferia barbarense – Foto: Prefeitura de Santa Bárbara / Divulgação

“Nós preparamos Santa Bárbara para um cenário severo, para o pior cenário possível, desejando que tudo que nós fizemos, em parte, não seja necessário utilizar”, comentou o prefeito.

“Além da própria reorganização, daquilo que já existia, foi valioso o trabalho nosso ao longo de sete anos para reestruturar a Saúde, porque isso nos dá uma força muito grande nesse momento”, afirmou Denis, que encerra seu segundo mandato este ano.

Na semana passada, entidades ligadas ao comércio e à indústria de Santa Bárbara iniciaram a elaboração de um estudo para tentar convencer o governo estadual de que a cidade tem condições de estar entre as primeiras autorizadas a reabrir o comércio a partir do dia 11 de maio, quando termina a quarentena.

Na visão de Denis, o município tem condições de retomar as atividades com segurança. Ele acredita que diversos fatores serão levados em consideração pelo governador João Doria (PSDB), e não só a taxa de adesão ao isolamento social dos municípios.

Até o momento, Santa Bárbara não conseguiu atingir a faixa de 60% a 70%, apontada como de “maior chance” de flexibilização pelo governador.

Tampouco tem alcançado os 50% considerados satisfatórios pelas autoridades de saúde. Nesta semana, entre segunda e quinta-feira, a taxa no município variou entre 42% e 44%.

“Entendo que meramente se estabelecer a condição de uma cidade apenas através da taxa de isolamento é um equívoco. Existem outros diferentes índices igualmente importantes, como número de casos. Tudo isso tem que ser levado em conta” argumentou o prefeito.

Denis diz ter “a melhor das expectativas” de que a cidade possa equilibrar a reabertura e a proteção à saúde da população.

“É por isso que tomamos algumas medidas aqui. Santa Bárbara é uma das poucas cidades que está distribuindo máscaras em quantidade relevante diante de sua população”, comentou Denis.

No dia 23 de abril, a prefeitura iniciou a distribuição de 50 mil máscaras em pontos da zona leste e em condomínios populares, como Bosque das Árvores e Conjunto Habitacional Roberto Romano.

Não há obrigatoriedade do uso das máscaras na cidade, mas a prefeitura recomenda que a população utilize quando sair de casa.

Mais de um mês depois do início da quarentena, o prefeito aponta que a cidade tenta estabelecer uma “nova normalidade”. A preocupação para o futuro próximo, além das questões econômicas, é desenvolver hábitos que possam trazer segurança para a população.

“Os próximos tempos vão exigir de todos nós uma conciliação de ações e de atitudes pessoais e coletivas. Os cuidados individuais vão ser cada vez mais necessários para que o convívio coletivo possa ser o mais seguro para todos”, refletiu o prefeito.