20 de abril de 2021 Atualizado 20:37

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Crime

Monitor é condenado a 30 anos de prisão por feminicídio em Santa Bárbara

David Vieira Ferraz da Cruz pegou pena máxima em Tribunal do Júri no início da semana; defesa vai recorrer

Por Leonardo Oliveira

03 mar 2021 às 16:01 • Última atualização 03 mar 2021 às 17:58

O Tribunal do Júri de Santa Bárbara d’Oeste condenou na última segunda-feira (1º) o monitor David Vieira Ferraz da Cruz a 30 anos de prisão pela morte de Eva Paula de Lima, sua companheira e com quem teve um filho. O crime foi cometido em fevereiro de 2020.

David foi acusado pelo (Ministério Público) de ter agredido a mulher e de tê-la matado por asfixia. O júri popular decidiu por quatro votos a três que o homem era culpado – depois disso, a juíza Camilla Marcela Ferrari Arcaro deu pena máxima ao monitor.

Eva Paula de Lima foi morta em fevereiro do ano passado – Foto: Reprodução/facebook

Ele sofreu condenação por homicídio triplamente qualificado – incluindo como qualificadores o motivo fútil (insignificante), com recurso que dificultou a defesa da vítima e pela condição de sexo feminino (feminicídio).

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

Ao LIBERAL, o advogado responsável pela defesa do réu, Renan Farah, adiantou que vai recorrer da sentença por entender que a decisão dos jurados foi contrária às provas do processo. Ele irá pedir a diminuição da pena.

“A defesa lamenta muito o resultado, que, por um voto, teria sido completamente diferente e devolvido o pai de família ao seus filhos. Vamos recorrer, temos embasamento jurídico e técnico para apelar por novo júri”, afirmou.

Advogado durante Tribunal do Júri realizado na última segunda – Foto: Divulgação

O crime aconteceu na madrugada do dia 22 de fevereiro de 2020, na casa de Eva, no Jardim São Francisco II, em Santa Bárbara. A mulher estava junto com o monitor no momento de sua morte. O rapaz saiu da casa pedindo socorro – uma vizinha ouviu a situação e chamou a polícia.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

No local, policiais ouviram de David que a companheira havia se suicidado e que ela tomava remédios para depressão. Como Eva estava com dois afundamentos no crânio e uma faca de cozinha com a ponta deformada foi localizada no imóvel, o monitor acabou preso como o principal suspeito do feminicídio.

A perícia técnica realizada no corpo da vítima indicou que havia sinais de agressão recente no antebraço e mão esquerda, além das lesões no crânio. David foi preso preventivamente desde então e deverá continuar em cárcere durante a fase de recurso.

Para calcular a pena, a juíza escreveu que as circunstâncias do crime mostraram “extrema frieza” do acusado e que ele causou “consequências graves do crime aos familiares, já que o acusado provocou a morte precoce de uma mulher de 35 anos, saudável, mãe de seu próprio filho, o qual carregará este trauma para o resto de sua vida”, diz um trecho da sentença.

Publicidade