09 de agosto de 2022 Atualizado 15:00

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Homicídio

Justiça decreta prisão preventiva de homem que matou segunda companheira em Santa Bárbara

Josias Sass Ribeiro, de 56 anos, teria asfixiado vítima com uma calça jeans e depois enterrado o corpo em uma área verde

Por Cristiani Azanha

03 de agosto de 2022, às 19h50 • Última atualização em 03 de agosto de 2022, às 19h51

Josias Sass Ribeiro, de 56 anos, acusado de matar e enterrar o corpo da companheira, a aposentada Maria Inês Francisca da Silva Romero Correa, de 73, no Jardim Cândido Bertini, em Santa Bárbara d’Oeste, teve a prisão convertida em preventiva decretada pela Justiça nesta quarta-feira (3).

Ele já tinha sido preso pela Polícia Civil dias depois da localização do corpo da vítima, em 9 de junho de 2022. Segundo a Polícia Civil, o homem já havia cumprido dez de 18 anos de condenação pelo assassinato de outra ex-companheira.

Inicialmente, ele estava detido na Cadeia Carcereiro Pedro Cromo, em Santa Bárbara. No entanto, com a prisão preventiva, Ribeiro foi conduzido ao CDP (Centro de Detenção Provisória) de Americana.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Segundo a denúncia do MP (Ministério Público), Ribeiro usou uma calça para asfixiá-la e enterrou o corpo em uma área verde. O autor se relacionava com a vítima há oito meses e após o crime passou usar os cartões bancários da idosa.

Desconfiados sobre o desaparecimento de Maria, os parentes foram até a casa dela, mas o suspeito teria relatado que a companheira viajou para Minas Gerais. No entanto, eles encontraram objetos pessoais de Maria Inês, de uso diário, como seus celulares, escondidos dentro de um armário na cozinha, além de documentos pessoais e cartão bancário.

Séries, filmes, games, quadrinhos: conheça o Estúdio 52.

O corpo da vítima só foi localizado porque um trabalhador relatou que operava uma retroescavadeira quando, ao revirar a terra, encontrou o cadáver  enterrado no local.

A policial civil Débora Silvestrini afirmou que o cobertor no qual a vítima estava enrolada foi reconhecido por uma testemunha, que tinha dado o objeto de presente para o agressor.

Ribeiro foi denunciado por homicídio qualificado por motivo torpe, asfixia e recurso que dificultou a defesa, feminicídio, violência doméstica e familiar, com o agravante de ter sido praticado contra pessoa maior de 60 anos e ocultação de cadáver.

Publicidade