Justiça condena acusados de assaltar entregadores de pizza

Líder do grupo pegou 11 anos de prisão e seguirá preso; outros dois envolvidos foram condenados a quase 9 anos cada e poderão cumprir em liberdade


A Justiça de Santa Bárbara d’Oeste condenou três acusados de assaltar entregadores de pizza em outubro do ano passado no município. O ‘líder’ do grupo, um pedreiro de 30 anos, pegou 11 anos e nove dias de reclusão e seguirá preso. Já os outros dois, uma mulher e um rapaz, ambos de 21 anos, pegaram quase nove anos e poderão cumprir em liberdade.

Os roubos ocorreram no dia 15 de outubro de 2017. O primeiro assalto aconteceu por volta das 21h30, na Vila Linópolis. “No que eu passei [pela rua], procurando a casa, ele [criminoso] chamou e disse ‘o parceiro, é aqui mesmo’. Ele estava embaixo de uma árvore com uma mulher. Voltei com a moto e ele disse ‘espera um pouquinho que eu vou pegar o dinheiro que está com o outro rapaz’. E aí, esse [outro suspeito] veio com a arma na mão”, declarou o entregador de 31 anos. O trio roubou a pizza e o refrigerante que haviam encomendado e mais R$ 60.

Foto: Arquivo / O Liberal
Acusados foram condenados por assaltos a entregadores de pizza em Santa Bárbara

Uma hora depois, às 22h30, os acusados assaltaram um motoboy de 22 anos no Jardim São Francisco. Eles ligaram na pizzaria onde o entregador trabalha, pediram uma pizza pequena e quatro latas de cerveja. Quando o motoboy foi fazer a entrega, anunciaram o roubo. “Não chegaram a me agredir, mas ameaçaram fazer algo comigo se eu reagisse ao assalto. A ação foi muita rápida. Fiquei assustado, nunca tinha passado por isso”, afirmou o entregador.

Os suspeitos foram presos três horas depois, no bairro Cruzeiro do Sul. Dentro do carro usado nos crimes, policiais militares encontraram uma espingarda calibre 36 municiada com um cartucho, um celular, duas pizzas, quatro latas de cerveja e um refrigerante de dois litros. Com a jovem de 21 anos, foram apreendidas ainda duas porções de cocaína. Os três foram reconhecidos pelas vítimas.

“Verificando-se, que a prova é certa, segura e aponta, sem qualquer resquício de dúvidas que os réus praticaram os delitos descritos na denúncia, absolvição é meta impossível de ser alcançada quanto aos crimes em questão, inclusive por não haver nos autos qualquer causa que exclua os delitos ou isente os acusados da pena”, declarou o juiz Luciano Francisco Bombardieri. A sentença foi publicada no dia 28 de fevereiro.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!