09 de maio de 2021 Atualizado 16:37

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

SEGURANÇA

Instituto coloca Santa Bárbara como a cidade mais segura do Estado

Município teve em 2020 o menor Índice de Exposição aos Crimes Violentos e lidera dentre as 141 cidades com mais de 50 mil habitantes

Por Pedro Heiderich

23 abr 2021 às 07:59 • Última atualização 23 abr 2021 às 08:37

Levantamento do Instituto Sou da Paz divulgado nesta quinta-feira (22) coloca Santa Bárbara d’Oeste como a cidade mais segura do Estado em 2020. A cidade lidera dentre as 141 cidades com mais de 50 mil habitantes, com o menor IECV (Índice de Exposição aos Crimes Violentes). Em 2019, primeira edição, o município ficou em sexto e Vinhedo em primeiro.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

As cidades são classificadas no ranking através da média ponderada entre os crimes letais (vida – homicídio e latrocínio), contra a dignidade sexual (estupro) e contra o patrimônio (roubo – outros, roubo de veículo e roubo de carga), com base em dados da Secretaria de Segurança Pública estadual.

Os crimes letais têm peso de 40% na construção da média, enquanto os outros dois carregam peso de 30% cada. Após o cálculo, chega-se ao IECV Geral. Quanto menor ele for, menor é a exposição da cidade a crimes violentos.

Videomonitoramento da Guarda Municipal foi citado como ponto forte – Foto: Prefeitura de Santa Bárbara / Divulgação

Santa Bárbara teve IECV de 2,67, com as seguintes notas nos três sub itens: IECV vida de 2,08, e IECV de dignidade sexual 2,94 e IECV de patrimônio de 3,19. O município ainda foi eleito o mais seguro com folga, sendo o único dentre todos a ter IECV geral abaixo de 3. O segundo colocado, Piracicaba, teve IECV geral de 3,12. Monte Alto foi o terceiro colocado.

Entre as demais cidades da RPT (Região do Polo Têxtil), Nova Odessa se destacou, ficando em oitavo lugar, com IECV geral de 3,45: sendo IECV vida de 0,15, IECV de dignidade sexual de 8,52 e IECV de patrimônio de 2,79.

Americana ficou em 22º lugar, com IECV geral de 4,54, subdivido em IECV vida de 2,43, IECV de dignidade sexual de 8,37 e 3,51 de patrimônio.

Sumaré e Hortolândia ficaram mais abaixo, na metade do ranking. Sumaré foi 71º, com IECV de 6,91. Hortolândia, 77ª mais segura, teve IECV geral de 6,91. Campinas ficou na 100ª posição. O último lugar do ranking teve Peruíbe, com IECV de 16,70.

Os números do levantamento podem ser vistos com detalhes por cidade através do site do Instituto. Em parcial do primeiro semestre, divulgada em agosto, Nova Odessa aparecia em terceira e Santa Bárbara em sexto, enquanto que Americana era 52ª, Hortolândia 73ª e Sumaré 75ª.

Ações coordenadas e mapeamento

O prefeito de Santa Bárbara, Rafael Piovezan (PV), comemorou a primeira colocação nas redes sociais. “Nossa cidade tem um histórico de ações que impactam positivamente nos índices de segurança, como as ações coordenadas entre a Guarda e as Polícias Civil e Militar”.

O chefe do Executivo frisou que as autoridades policiais fizeram ações ostensivas e preventivas, patrulhamento permanente, vigilância das entradas e saídas do município, rondas preventivas e o uso de tecnologia, através de videomonitoramento, totens e drones. “Vamos aperfeiçoar estas ações, complementando e ampliando todas as melhorias”, diz.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Entrevistada pelo LIBERAL, a capitã Carolina Pádua, comandante da Polícia Militar em Santa Bárbara, cita o mapeamento de lugares onde poderiam ocorrer crimes como ponto vital. “Aliado ao policiamento colocado nessas áreas foram as principais ações desenvolvidas que pesaram”.

A capitã relata que o planejamento fez com que a PM (Polícia Militar) tivesse mais visibilidade para todos. “Além de provocar sensação maior de segurança provocou também um estado de dominação do território, a PM estava presente em todos lugares para evitar os crimes. Foi um planejamento inteligente, diversificando as viaturas no território”.

A intenção agora é manter os bons resultados. “Continuar e aprimorar ainda mais esse serviço, por meio de inteligência, conversando bastante com policiais e com a população. Tentamos também manter o número do efetivo de policiais para desenvolver o policiamento da mesma forma e quem sabe, se possível até aumentar”, encerra a capitã.

Publicidade